Força da Luz

| 19/07/2005 - 00:00


O dia era terça-feira, 2 de abril de 2002. O cenário era um dos pontos mais visitados por peregrinos à Terra Santa: a Igreja da Natividade e suas cercanias, situadas nas ruas de Belém no território palestino. Logo de madrugada e mais um confronto acontecia entre israelenses e palestinos.

Tropas, tanques de guerra e armamento pesado compunham uma paisagem antinatural ao lugar. Aquele confronto era mais um capítulo da "intifada" - levante - organizada pelos palestinos em represália a ações dos israelenses.

Subitamente, o grupo palestino se vê cercado e não titubeia: invade a igreja. Os monges franciscanos e os sacerdotes da igreja ortodoxa grega, que compartilham o templo, se vêem, ao mesmo tempo, abismados, ultrajados, amedrontados, perplexos... Mas têm de lidar com aquela realidade.

Em 10 de maio de 2002, 38 dias depois do início daquele conflito, chegava-se a uma solução diplomática: os militares israelenses se retirariam, e depois os palestinos sairiam da igreja. Alguns dos palestinos foram deportados e outros tiveram de deixar a região de Belém.

O mundo todo tinha ficado consternado pelo acontecimento. As agências de notícias não passavam um dia sequer sem ter relatos novos, as tentativas de negociação, o "tocador do sino" que foi morto por um tiro de fuzil, civis que tinham se achado de maneira involuntária no meio do conflito e a angústia de suas famílias, tudo era motivo para notícia.

Muita coisa do que se viveu dentro da igreja durante aqueles dias veio à tona, como os sentimentos dos militares e dos militantes palestinos, dos já referidos civis e, também, dos clérigos. Entre esses últimos, chama atenção o caso do frade franciscano Taym*.

Enquanto saía, protegendo os olhos da luz que não via há 38 dias, era abraçado por seus confrades e dizia que como franciscano tinha mesmo de ter permanecido. Em primeiro lugar, porque essa ordem é um dos grupos incumbidos de cuidar da Igreja da Natividade.

Mas, mais importante, ele disse que os ensinos cristãos tinham lhe preparado para fazer tudo o que pudesse para evitar que pessoas deixassem que o ódio as guiasse à violência e à vingança. "Eu penso que nossa presença e nossas orações evitaram mais mortes a ambos os lados em luta, as orações evitaram que a igreja assistisse a um banho de sangue", disse frei Taym.

E disse mais: "Acho que há algo sobrenatural nisso tudo. Mesmo que a presença cristã esteja se esvaindo na Terra Santa, penso que esses dias mostraram o quanto é importante perseverar... Todos os clérigos que estavam dentro da igreja manifestavam a mensagem de Jesus a quem a quisesse perceber..."

Há muito que se pode dizer para caracterizar o remanescente cristão no Oriente Médio, em particular, em Israel e Palestina, mas, à medida que se aproxima o lançamento de "Força da Luz", é importante exemplificar o comportamento desse remanescente, pois é este o tema do livro: como este corpo debilitado pode ser a força da luz. Nesse sentido, o relato de como os cristãos se comportaram durante a tomada da Igreja da Natividade por militantes palestinos foragidos e soldados israelenses constitui-se numa amostra clara daquilo que se almeja para o Corpo de Cristo naquele lugar. É isso que esperamos e é por isso que intercedemos.

Douglas Monaco
Secretário Geral de Portas Abertas Brasil

* Caso relatado em "The body and the blood" de Charles M Sennott, publicado em 2003 por Public Affairs, New York, site www.publicaffairsbooks.com.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE