Por que o Domingo da Igreja Perseguida?* (3)

| 26/04/2005 - 00:00


Porque apoiar a Igreja Perseguida é participar do esforço missionário mundial.

Todos sabem que o esforço missionário se faz de perto e de longe. Quer dizer, a conversão ao evangelho é resultado do evangelismo pessoal, da pregação pública e da presença em países distantes. O Espírito Santo alcança pessoas através da manifestação de Cristo pelos cristãos e isso se dá de maneiras variadas, sem uma receita única.

Desde sempre, têm-se conhecido inúmeros movimentos que visam completar a "grande comissão" de Mateus 28. Mais recentemente, ao aproximar-se o ano 2000, esta tendência se acentuou e havia um objetivo, compartilhado por muitas lideranças, de completar a tarefa antes da entrada no novo milênio, fosse pela mera motivação de concluir o trabalho, fosse por alguma interpretação apocalíptica do ano 2000.

Nesse sentido, muito se tem trabalhado para prepararem-se missionários, para conseguirem-se vistos, para montarem-se estratégias não convencionais, como "fazedores de tendas", para fortalecerem-se os departamentos e as juntas missionárias das denominações.

Tudo isso é altamente positivo e merece a intercessão e o apoio de todos os que prezam o crescimento do Reino. Ao mesmo tempo, há um outro aspecto que precisa ainda ser melhor aproveitado no esforço missionário mundial.

Há um contexto em que pode-se trabalhar muito pelo evangelismo sem muito deslocamento de pessoas e sem muito preparo para atuação trans-cultural, simplesmente apoiando os cristãos locais que estão fortemente empenhados no evangelismo de seus patrícios.

Um contexto em que os agentes principais já dominam a cultura e o idioma, já estão no local de evangelismo e, mais importante de tudo, estão prontos para pagar o preço de falar do Evangelho onde pregar é proibido.

Claro, está-se falando da Igreja Perseguida. Eles não são missionários num sentido estrito pois, segundo o reverendo John Stott, fazer missões implica enviar**. Mesmo assim eles são evangelistas e estão atuando. Na Coréia do Norte, na Arábia Saudita, no Vietnã, no Laos e nos outros países da "Classificação dos Países por Perseguição", nos dias atuais não haveria crescimento do evangelho se não fosse pela disposição dos irmãos perseguidos de viver Cristo, de manifestá-Lo e de oferecê-Lo a outros.

Sem dúvida, no passado, houve missionários que levaram a Palavra a estes lugares, mas, já há muito tempo, os missionários foram expurgados destes países e, hoje, o ministério de evangelismo está entregue aos remanescentes.

Estes irmãos têm condições naturais de se fazerem instrumentos da obra e, mesmo assim, faltam-lhes muitas vezes, elementos essenciais como Bíblias e literatura de discipulado. Mas, mais do que recursos materiais, para terem plenas condições, faltam-lhes duas coisas vitais: intercessão e solidariedade.

Em uma palavra, falta-lhes apoio. Apoio de seus irmãos que vivem fora destas áreas restritas e que, humanamente, não a única fonte de onde podem esperar ajuda.

22 de maio de 2005, Domingo da Igreja Perseguida: porque apoiar a Igreja Perseguida é participar do esforço missionário mundial.

Douglas Monaco - Secretário Geral Portas Abertas Brasil

*Conforme promessa feita em "Um dia para marcar a história de sua igreja", entre 12 de abril e 10 de maio, este espaço discutirá cinco motivos para participar do Domingo da Igreja Perseguida. Hoje o tema é "Porque é parte do esforço missionário". Na semana que vem, o tema será "Porque são nossos irmãos".
**A Missão da Igreja no Mundo de Hoje, ABU Editora, São Paulo 1989


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE