Entenda o Sudão

O Sudão é geograficamente o maior país do continente africano, o décimo maior do mundo e faz fronteira com países como Egito, Eritreia, Etiópia, Líbia, entre outros. Por volta do século VII D.C os árabes muçulmanos chegaram à região então conhecida como Núbia e ali se estabeleceram, acirrando dessa forma, uma disputa política e religiosa com os cristãos núbios que ali habitavam. Já no século XIX a Núbia foi dominada pelo império otomano e posteriormente pelos britânicos.

Devido às dimensões geográficas do Sudão, os britânicos resolveram dividi-lo em duas áreas de influência para facilitar seu domínio militar. No norte incentivaram o islamismo e a língua árabe, e ao sul o cristianismo e a língua inglesa. Após se libertarem do julgo colonial dos britânicos, os sudaneses passaram por duas longas e sangrentas guerras civis. É no sul que estão as terras mais férteis ao plantio já que esta região é banhada pelo rio Nilo, e 65% das reservas de petróleo estão ali, essa guerra foi travada entre grupos radicais muçulmanos e o SPLA (Exercito de Libertação do Povo do Sudão do Sul) grupo radical cristão que defendia a separação territorial e política do país, muitos jovens perderam suas vidas durante os mais de 30 anos de guerra civil.

Somente em 2005 seria assinado um tratado de paz entre o norte e o sul do país. Após um referendo realizado em janeiro de 2011, ficou decidida a divisão do país em Sudão do Sul e Sudão do Norte. Mas se o sul é rico em reservas de petróleo e recursos naturais, é no norte que se encontram todas as refinarias de petróleo e as principais indústrias do país, isso torna uma região economicamente dependente da outra, este é um dos fatores que pesam contra a divisão e pode contribuir para outra guerra civil.

A Igreja sudanesa tenta sobreviver nesse contexto de conflitos étnicos, políticos e religiosos. Oremos para que a provável divisão do país se dê de forma pacifica e que haja acordos bilaterais que favoreçam tanto o sul quanto o norte e para que a Igreja de Cristo possa resplandecer o amor de Deus em meio a tanto ódio.

Marcelo Peixoto- Historiador