Jovem síria: “Um segundo pode acabar com a nossa vida”