Ataques às igrejas aumentam 5 vezes em um ano

Entenda os tipos de violência que os cristãos enfrentam nos 50 países da Lista Mundial da Perseguição

| 18/01/2020 - 07:00

Prisão, ataques a igrejas e casas, sequestros e até assassinatos foram alguns dos crimes praticados contra cristãos

Prisão, ataques a igrejas e casas, sequestros e até assassinatos foram alguns dos crimes praticados contra cristãos


Além de enfrentar a pressão nas esferas vida privada, família, comunidade, nação e igreja, a Igreja Perseguida encara o aumento da violência. Nossos irmãos e irmãs são atingidos de diversas formas: prisão, sequestro, violência física, ataques a igrejas, entre outras formas de hostilidade. Alguns incidentes específicos ocorridos no período de pesquisa da Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2020, entre 1/11/2018 e 31/10/2019, contribuíram para alavancar esse crescimento.

Foram 3.711 cristãos presos ou condenados sem julgamento e 2.983 mortes por causa da fé em Jesus. A Nigéria ocupou a primeira colocação em homicídio de cristãos com 1350 vítimas. No Sri Lanka também foram registradas 259 vítimas fatais nos ataques às igrejas e hotéis na Páscoa de 2019. Outro caso foi o assassinato de Kalantus Barla, cristão indiano linchado por radicais hindus sob a acusação de roubar carne no mercado local. Veja outros números no infográfico que preparamos clicando no banner abaixo.

As ofensivas às igrejas aumentaram de 1.847 para 9.488. Somente a China teve mais de 5 mil comunidades cristãs violadas, direta e indiretamente. As ações estão especialmente relacionadas à ação do governo chinês contra a igreja. Já a  Angola ocupou a segunda colocação com 2000 prédios cristãos atingidos. A Portas Abertas também acompanhou os acontecimentos na Argélia, onde os templos cristãos foram invadidos por policiais e depois lacrados. Alguns membros e pastores ficaram detidos e as licenças para o funcionamento dos locais de culto nunca foram liberadas. Na Indonésia, duas comunidades cristãs foram obrigadas a encerrar as atividades. As ações das autoridades aconteceram após ameaças de extremistas islâmicos.

A impotência dos governos dos países da África Subsaariana foi decisiva na ação de grupos extremistas islâmicos. Em Burkina Faso, 27 cristãos morreram em oito ataques, entre janeiro e agosto de 2019. Em Adamawa, na Nigéria, o Boko Haram devastou vilarejos e deixou os cristãos com medo de voltarem a frequentar as igrejas. O pastor Marcus Abana foi um dos que experimentou a queda na frequência dos membros.

Negar a fé no islamismo ou no hinduísmo resulta em muitos problemas com as famílias, sociedade e líderes locais. A jovem Saree* de 11 anos é um exemplo desses conflitos. Ela entregou-se a Cristo depois de ser curada de uma surdez parcial. Por consequência sofreu agressões do pai e do irmão mais velho após revelar a fé em Jesus, e foi enviada para outro estado, para exercer trabalho pesado. Já em Camarões, a história de fé de Sadia tem impactado a todos. Além de ser expulsa da família por deixar o islã, a jovem de 19 anos faz tratamento contra um câncer e vive lutando para manter a fé.

A Portas Abertas conta a história de irmãos e irmãs que enfrentam diferentes tipos de perseguição por amor a Jesus. Acompanhe as notícias diárias, interceda e contribua para o fortalecimento da Igreja Perseguida. Clique no banner abaixo e leia o artigo completo sobre os tipos de violências que os cristãos têm enfrentado.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE