Atos reformistas do príncipe coroado da Arábia Saudita

Príncipe quer mudar reputação da Arábia Saudita, tornando-a um país islâmico mais moderado

| 04/06/2018 - 00:00

Mulher saudita (Imagem ilustrativa)

Mulher saudita (Imagem ilustrativa)


Foi veiculado pela mídia que a Arábia Saudita permitiria a construção de igrejas. O anúncio foi feito primeiramente pelo jornal egípcio Egypt Independent em 2 de maio, depois apareceu em vários outros veículos. Os comentaristas estavam considerando a decisão como parte do movimento reformista do príncipe coroado Mohammed Bin Salma. A notícia dava conta de que um acordo havia sido assinado entre o Vaticano e a Arábia Saudita.

No entanto, em uma nota de imprensa, o Vaticano negou que o acordo foi firmado, como publicado no dia 5 de maio pelo MailOnline (website do jornal britânico Daily Mail). De acordo com o site Asia News, o único acordo feito foi em relação à cooperação na área de diálogo inter-religioso, dando permissão a cristãos residentes na capital Riad de realizar cultos na igreja.

Uma analista de perseguição da Portas Abertas confirma que o príncipe coroado fez reformas extraordinárias, como permitir que as mulheres dirijam e o funcionamento de cinemas; ele também reconheceu o direito à existência de Israel – todos atos sem precedentes para um político saudita. “Suas palavras são acompanhadas por ações e ele se encontrou com vários líderes cristãos nos últimos meses”, afirma a analista.

Leia também
A pressão sobre cristãos durante o Ramadã
Um natal indiano na Arábia Saudita
Igreja é reaberta na Arábia Saudita


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE