Como seu apoio chega a um cristão ex-muçulmano no Sudão

Aman conheceu Jesus durante um tempo turbulento em seu país e foi acolhido por cristãos que o ajudaram espiritual e fisicamente

O ano de 2019 foi de mudanças no Sudão. Quando o presidente Omar al-Bashir impôs medidas emergenciais de austeridade para impedir o colapso da economia, em dezembro de 2018, provocou manifestações generalizadas que se transformaram em exigências para sua saída. Em abril de 2019, as demandas foram atendidas e Bashir foi deposto depois de mais de 30 anos no poder. Um Conselho Militar de Transição (TMC, da sigla em inglês) assumiu o cargo e, em agosto, passou o poder a um governo civil de transição para um novo Sudão liderado pelo primeiro-ministro Abdallah Hamdok.

Hamdok está trabalhando duro para estabelecer uma democracia totalmente integrada à comunidade internacional. O que isso significa para a vida cotidiana dos cristãos? Nosso envolvimento ainda é necessário? Em caso afirmativo, que resultado estamos tendo? O testemunho do cristão ex-muçulmano Aman* responde a essas perguntas.

Fuga, salvação e perseguição

Aman é um sudanês que conheceu Jesus aos 23 anos. Era um tempo de turbulência em sua cidade natal, então por causa do perigo ele decidiu fugir. Foi nesse tempo que conheceu cristãos que desenvolviam um ministério na região e lhe falaram de Jesus como salvador. “Eu não consegui dormir por três dias”, conta Aman, depois que ouviu as boas-novas de salvação.

A partir de então, ele começou a estudar a Bíblia: “Aprendi que Jesus é o único caminho para o céu, então entreguei toda minha vida a ele”, conta. A perseguição veio logo após a decisão. Aman estava noivo de uma muçulmana e, quando o pai da noiva e a mãe dele descobriram sobre a conversão, desfizeram o casamento. A própria vida dele estava em perigo à medida em que a família tentava fazê-lo voltar ao islã, por isso ele teve que fugir mais uma vez.

Socorro, abrigo e provisão

Aman foi abrigado por cristãos que, por sua vez, eram apoiados pela Portas Abertas. Assim, com o apoio recebido em seu novo lar, Aman pôde estudar a Bíblia, passar tempo em oração, ter comunhão com outros cristãos e ser encorajado. A Portas Abertas também ajudou o cristão ex-muçulmano a abrir um pequeno negócio.

Ele alugou um espaço onde montou uma papelaria, junto com um amigo. O negócio estava indo bem e, finalmente, ele sentiu que após toda confusão causada pela conversão, a vida tinha voltado ao normal. “Eu me senti tão abençoado e agradecido pela forma como vocês me apoiaram de diversas maneiras. Eu realmente agradeço a todos pelo amor prático que vocês demonstraram a mim”, diz.

Prisão, oração e paciência

Mas a polícia descobriu sobre o ministério com os cristãos ex-muçulmanos, invadiu a casa e prendeu Aman e outros que participavam com ele do ministério. Ele diz: “Fiquei na prisão por 17 dias por ter me tornado cristão. Foi difícil, mas quando estava lá aprendi a ser paciente. Eu passei o tempo todo orando por outros que estavam nas mesmas circunstâncias. Mas senti que eu era parte da história do Sudão, senti que fazia parte da equipe que trazia mudança através da oração”, relembra.

Quando foi libertado, Aman ficou sabendo que havia perdido tudo e tinha que recomeçar do zero. Mas a Portas Abertas, através da igreja local, continua o apoiando com um teto para morar e discipulado. Graças ao apoio da família da fé, Aman continua inabalável na caminhada cristã e continua a compartilhar a esperança que encontrou em Cristo com outros.

Comunhão, crescimento e testemunho

Sobre sua nova rotina, Aman compartilha: “De manhã, temos um tempo de oração e pregamos um para o outro”. O colaborador local da Portas Abertas responsável pelo discipulado explica: “A comunhão que eles têm entre si tem um grande impacto na vida deles. A cosmovisão islâmica com que chegaram está mudando gradualmente. Eles precisam continuar com a comunhão para entenderem a Bíblia juntos. Eles já estão trabalhando para o reino de Deus entre outros muçulmanos sudaneses. Já ouvimos testemunhos disso e Deus os está usando para mudar a vida de muitos”.

A Portas Abertas está comprometida em continuar apoiando essa pequena, mas corajosa, comunidade de cristãos por meio do discipulado e apoio à subsistência. “Agradecemos a todos os apoiadores. Estamos muito, muito felizes. Deus abençoe a todos que estão nos apoiando. Nós sentimos que somos parte de vocês. Também estamos orando para que vocês continuem trabalhando conosco. Somos abençoados por vocês”, conclui Aman.

É para fortalecer cristãos como Aman que o Domingo da Igreja Perseguida 2020 será voltado para os cristãos ex-muçulmanos. Se você ainda não cadastrou sua igreja, cadastre-se e faça parte do maior movimento nacional de oração pela Igreja Perseguida!

Ajude a prepará-los

Você pode fazer parte do apoio aos cristãos da África Subsaariana. Sua doação leva até eles material de treinamento e capacitação. Contribua e ore para que  nossos irmãos e irmãs ex-muçulmanos continuem firmes conhecendo Jesus e fazendo-o conhecido em seu país.

*Nome alterado por segurança.

Pedidos de oração