Conflitos entre jihadistas preocupa cristãos

| 18/04/2017 - 00:00


18-bangladesh-homem-parque

Bangladesh é uma nação que subiu muito na Lista Mundial da Perseguição, este ano. Em 2016, ocupava o 35º lugar, já em 2017 subiu 9 posições, ocupando agora o 26º. O forte conservadorismo da sociedade colaborou bastante para esse resultado. O nível de violência é surpreendente. Grupos radicais islâmicos espalham medo e insegurança às comunidades e famílias, principalmente aos que abandonam o islã e passam a fazer parte da minoria religiosa. Os cristãos são cada vez mais monitorados e tratados com hostilidade.

Paralelamente à violência contra a igreja, conflitos isolados também acontecem e atingem os civis. Recentemente, 10 pessoas morreram e outras 25 ficaram feridas durante um confronto que durou quatro dias entre os próprios jihadistas, na cidade de Sylhet. Ao longo dos últimos anos, o país tornou-se um ponto de apoio para grupos militantes que são alimentados ideológica e financeiramente por movimentos islâmicos radicais, vindos do exterior. Um desses movimentos é o Estado Islâmico, com suas amplas estratégias para conquistar o Sudeste Asiático.

“De acordo com o líder cristão Bejoy DCruze, de Sylhet, uma das principais fontes da influência islâmica é a infinidade de mesquitas (não controladas) dentro do país. Ninguém é capaz de verificar sua ideologia ou de questionar sobre suas finanças. O grande número de incidentes recentes no Sudeste Asiático é preocupante para os cristãos da região, uma vez que tais ataques também são dirigidos a membros das minorias religiosas”, comenta um dos colaboradores da Portas Abertas. Ore por essa nação.

Leia também
Em busca de ensinamento cristão
Influência islâmica em livros escolares


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE