Cresce número de mesquitas e igrejas desaparecem

| 07/03/2016 - 00:00


7-bosnia-reuters

Debaixo de muitos protestos, o tribunal do Estado de Bósnia-Herzegovina, uma das repúblicas federais resultantes da dissolução da Iugoslávia, defendeu a proibição da hijab, o véu islâmico, entre outros símbolos religiosos, dentro dos tribunais e outras instituições legais. Em Sarajevo, capital do país, cerca de 2 mil pessoas, mulheres em sua maioria, realizaram uma manifestação de 1 hora, reivindicando o direito de usar o hijab. De acordo com informações da Rádio Free Europe, a Federação da Bósnia manteve seu posicionamento, apesar dos protestos.

""Essa questão de não usar o véu nas instituições legais, deve ter surgido por que a Bósnia solicitou a adesão à União Europeia, daí a influência ocidental no país"", explica um dos analistas de perseguição. A Bósnia-Herzegovina não é um país unificado, ele está dividido entre a Federação croata-muçulmana e a República Sérvia. Durante cinco séculos, o país foi tomado pelos otomanos, que islamizaram uma parte da população que era eslava, em sua origem. Durante a guerra civil de 1992, os islamitas vindos de todos os países enfrentaram os cristãos na Bósnia-Herzegovina, dando início a uma perseguição religiosa muito violenta.

""A Arábia Saudita está financiando diversos projetos nas regiões muçulmanas, e como resultado, o islamismo radical está crescendo na Bósnia. Com o dinheiro saudita, as mesquitas estão se proliferando e as igrejas desaparecendo, enquanto as autoridades locais não facilitam a concessão de autorizações para a abertura de templos cristãos. Precisamos orar pelos cristãos da Bósnia"", conclui o analista.

Leia também
De onde vem o jihadismo moderno


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE