Cristãos são tratados como cidadãos de segunda classe

| 23/11/2016 - 00:00


23-bangladesh-pes-chinelos

No início do mês, houve um grande conflito entre uma comunidade indígena de maioria cristã e trabalhadores de uma usina de açúcar, na cidade de Rangpur. Cerca de 2.500 pessoas foram expulsas das terras de seus ancestrais com a ajuda da polícia local. Enquanto os trabalhadores se empenham na plantação de cana de açúcar, os cristãos passam agora por uma crise financeira inesperada.

Infelizmente, durante o confronto, 3 cristãos morreram, muitos ficaram feridos e 30 estão desaparecidos. Os agressores saquearam as casas, levaram o gado e incendiaram cerca de 600 moradias. Sabe-se que estes agressores foram enviados por uma empresa com a aprovação de um parlamentar. “Agora estamos vivendo em uma aldeia, fomos proibidos pelo governo de sair daqui e não temos como encontrar trabalho para o sustento de nossas famílias”, disse Emmanuel que é pai de três filhos.

As terras que foram tomadas desses cristãos e que historicamente pertenciam a seus ancestrais, foi comprada pelo governo em 1952 para uma lavoura de cana de açúcar. “Parece que o acordo entre as partes não foi cumprido. Era uma questão de tempo para que as terras fossem tomadas por autoridades agrícolas. E já que os cristãos em Bangladesh são vistos como cidadãos de segunda classe, eles sequer tentaram um acordo”, conclui um dos colaboradores da Portas Abertas.

Leia também
“Queremos viver com Cristo” target=_blank>“Queremos viver com Cristo”
Igreja investe em seminários e programas de formação de líderes target=_blank>Igreja investe em seminários e programas de formação de líderes


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE