Evangelizar os muçulmanos é uma missão perigosa

| 18/08/2016 - 00:00


18-somalia-news.jpg

Recentemente, houve dois atentados suicidas em Mogadíscio, capital e também maior cidade da Somália. O grupo extremista islâmico, Al-Shabaab, assumiu a responsabilidade pelos dois incidentes que mataram cinco civis e um policial. Pouco tempo antes desses acontecimentos, houve também uma explosão próxima ao Aeroporto Internacional Aden Adde, na mesma cidade, onde 12 pessoas morreram.

O porta-voz do Al-Shabaab disse que o grupo tinha como alvo o UNOSOM (United Nations Operation in Somalia I), um grupo assistencial em missões de paz no país. Segundo os militantes, um dos homens-bomba foi funcionário do governo somali e abandonou seu trabalho para se juntar aos extremistas. Dessa forma, o grupo encontra condições de produzir ataques mortais até mesmo nas áreas que eram consideradas seguras.

A Somália está no topo da atual Classificação da Perseguição Religiosa, ocupando o 7º lugar entre os países mais hostis aos cristãos, que já enfrentam a violência dirigida às igrejas. Além disso, eles têm de lidar com a guerra civil, a desigualdade social e o radicalismo que está se espalhando por todo o país. Em junho, o Al-Shabaab explodiu um hotel na mesma região, deixando 15 mortos e 20 feridos. A igreja se esforça para continuar seus trabalhos de evangelização e está ciente de que essa missão se torna mais perigosa a cada dia que passa.

Leia também
Al-Shabaab explode um hotel na Somália
País enfrenta um grande desafio para enfraquecer o al-Shabaab


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE