Força e perseverança em meio aos desafios

| 03/11/2016 - 00:00


03-igreja-cubana

A igreja cubana tem enfrentado grandes desafios e ao mesmo tempo tem se mostrado forte e perseverante. Alguns pastores que foram entrevistados contaram detalhes sobre a realidade dos cristãos no país. O que segue é uma síntese com as declarações mais relevantes. “Em Cuba tudo é difícil, mas nada é impossível. As igrejas têm ajudado os irmãos em seus negócios, e nós mesmos colaboramos uns com os outros para gerar recursos e também apoiamos a igreja”, disse um líder cristão. “Sabemos que, em nosso meio, muitos têm habilidades e dons, alguns são médicos, engenheiros, artistas, professores, entre outras profissões, e eles têm usado suas habilidades para o bem de todos. Há uma grande necessidade de assistência e educação em Cuba”, conta outro líder.

Entre eles há o consenso de que os cubanos aprenderam a viver sem ter muito e usam o pouco que têm para continuar crescendo. “Nem todos temos formação de nível superior, mas aprendemos e hoje temos habilidades e preparo através da perseverança, do sofrimento e dos sacrifícios”, comentou um dos pastores que continua: “Os cristãos cubanos estão preparados para trabalhar com a América Latina, que é carente em algumas regiões de líderes preparados teologicamente. Além disso, queremos enviar missionários para o mundo, não temos recursos materiais, mas temos recursos humanos”, garante ele.

Estratégias

O líder explica que pessoas que aprenderam a viver dentro das limitações econômicas e políticas acabam se superando em outras áreas e aspectos da vida. “Os cubanos são amigáveis para os países muçulmanos e isso significa que Cuba pode ir para qualquer país onde prevalece o islamismo sem chamar a atenção. Podemos ir e aproveitar essa reputação para pregar o Evangelho em terras hostis ao cristianismo. Temos uma dívida com o mundo, pois Cuba já criou guerras em diversos países. Agora queremos criar oportunidades de levar Jesus Cristo a eles”, diz.

“Sim, os cubanos são amorosos. Para nós, é fácil sentir compaixão e amar as pessoas, aprendemos a ser generosos pois sempre vivemos com praticamente nada. Sabemos cuidar do pouco que temos e também vivemos bem se esse pouco nos for tirado. Quando um cubano se converte a Cristo, ele é lapidado e pode ser enviado para qualquer parte do mundo”, concorda um dos pastores entrevistados. “As experiências da igreja cubana precisam ser divididas com a irmandade. Nós aprendemos a trabalhar às margens das leis. Não é porque somos contra a Constituição, mas porque aprendemos a fazer o que é possível sem violar os procedimentos legais. Talvez não seja o maior exemplo do mundo, mas é interessante ver a igreja prevalecendo dentro do sistema que reina nesse país”, explica outro líder.

“Queremos dividir nossas experiências com todos os nossos irmãos na fé. Queremos ter mais união e contar como aprendemos a reconhecer Deus em nossas vidas, em meio a tantas dificuldades. Aprendemos a ter um relacionamento pessoal com Jesus e a obedecer aos seus mandamentos. Também aprendemos a perdoar e a amar os nossos inimigos. Hoje, vivemos através da nossa fé, e queremos ajudar os demais irmãos perseguidos. Aprendemos a lição mais importante que um cristão pode aprender sobre a terra, que é depender de Deus em todas as circunstâncias e acho que esse é o maior tesouro que a igreja cubana pode compartilhar nesse tempo”, afirma e conclui o líder.

Leia também
Liberdade religiosa continua a ser um desafio para Cuba
Aumenta o confisco de igrejas em Cuba


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE