Recém-liberto da prisão, irmão Ken pede mais Bíblias

A Portas Abertas viajou ao noroeste da China em janeiro de 2008 para ministrar às igrejas não-oficiais. Perguntamos a alguns líderes sobre a perseguição e eles responderam: “Temos de ser cuidadosos, mas estamos bem.” Ficamos hospedados na casa de um ex-oficial militar que tinha um bom relacionamento com a igreja. Por causa da atitude favorável desse oficial em relação aos cristãos, as igrejas naquela área estavam protegidas.

Porém, no mesmo distrito, outros cristãos sofrem porque as autoridades em suas cidades perseguem a Igreja. O irmão Ken, na província de Henan, foi mantido em um campo de trabalho forçado por um ano, trabalhando 17 horas por dia e perdeu aproximadamente 14 quilos. Ken foi solto no dia 15 de setembro e precisa de terapia por causa do trabalho pesado que foi forçado a fazer.

Sua prisão foi difícil para sua esposa e seu filho adolescente. Este último disse ao seu pai após a libertação: “Sentimos muito sua falta! Não arrume problemas (prisão) de novo.” Ken chorou ao contar sobre isso à Portas Abertas.

Ken esteve na prisão outras duas vezes. Ele foi preso por alguns meses entre 1997-1998 e, por um ano entre 2005 e 2006.

Contando sobre sua prisão, Ken disse: “Prisioneiros cristãos vieram e partiram desta prisão no decorrer do ano que eu estava lá. Alguns estavam lá antes de mim, alguns chegaram depois, e outros foram libertos. A maioria foi presa durante uma reunião cristã. Todos nós viemos de diferentes movimentos de igrejas não-oficiais, incluindo Nascidos de Novo e Atalaias. O Senhor nos desprendeu na cela da prisão. Constantemente, tínhamos de 20 a 30 irmãos, a maioria deles sentenciados de alguns meses a um ano.

 “Algumas semanas antes de eu ser solto, alguns cristãos foram presos durante o culto na no centro da China; todos foram sentenciados a um ano de campo de trabalho forçado.

 “Também testemunhamos outro grupo de nove cristãos do noroeste da China (da mesma área que Portas Abertas visitou em janeiro), recebendo sentenças pesadas pelo governo, que detesta os cristãos e luta bravamente contra a igreja. A um deles foi dada uma sentença de sete anos, ao outro de cinco anos, dois deles receberam três anos no campo de trabalho e o restante foi sentenciado a um ano ou menos.

No final da nossa conversa, Ken declarou sua grande preocupação. “Nós precisamos da Palavra de Deus”, ele disse, “e temos de tomar cuidado para não termos problemas (prisão) novamente. A Portas Abertas pode nos providenciar a Palavra do Senhor?”. Ken conhece a necessidade de distribuição de Bíblias, portanto, ele continua viajando para visitar igrejas.