Polícia prende imã e três outros durante reunião de oração muçulmana

| 07/07/2004 - 00:00


A polícia invadiu a mesquita Juma durante as reuniões de oração na noite de 4 de julho e prendeu o imã Adil Huseinov e três outros membros da comunidade quando eles estavam em momento de oração. Assim que o imã Huseinov começou a liderar a comunidade em oração a polícia invadiu e o agarrou pelos dois braços e o levou para fora em direção a um veículo, disse ao Forum18 no dia 5 de julho Steinar Gil, embaixador norueguês, que testemunhou a detenção.

O início das orações foi aparentemente um sinal da polícia para retirará-los. A polícia parecia ter sido instruída a não permitir que dirigissem as orações. Essa ação da polícia é vista pelos muçulmanos como uma ofensa pessoal já que a polícia deixou de retirar suas armas ao entrar na mesquita e acharam ser um sacrilégio interromper a oração de qualquer um.

Ilgar Ibrahimoglu Allahverdiev, colega de Huseinov e principal imã da mesquita, disse ao Forum18 que os quatro detidos foram presos na virada da noite pela polícia distrital de Sabail onde acabaram sendo agredidos, ameaçados e insultados antes de serem liberados na manhã do dia 5. Mas ele disse que a polícia confiscou cinco outros membros da comunidade que chegaram para a reunião de segunda de manhã e os levaram ao 39º distrito policial, onde ainda se encontram detidos.

Ninguém estava disponível para comentar as batidas policiais e as detenções no Comitê do Estado para Obras com Organizações Religiosas, que controla as atividades religiosas no Azerbaidjão. Nigar Mamedova disse ao Forum18 no dia 5 de julho que somente o presidente do comitê Ragil Aliev estava autorizado a comentar e ele não estaria no escritório até do dia 6 de julho.

O Forum18 obteve resposta no dia 5 de julho no escritório da mesquita, desde a batida policial ocorrida no dia 30 de junho e nomeação forçada dos imãs fiéis ao Corpo Diretivo Muçulmano, órgão debaixo da guarda policial e inacessível aos membros da mesquita Juma.

O embaixador norueguês disse ao Forum18 que um dos imãs, que recentemente foram impostos e rejeitados pela comunidade, tinha liderado uma reunião dominical de oração para os seus quinze seguidores dentro da mesquita enquanto que cerca de duzentos membros da mesquita aguardavam pacientemente o término de sua cerimônia. O imã Huseinov então começou a liderar as orações. A entrada de muçulmanos na mesquita usando sapatos ou portando armas é considerado um ato ofensivo.

O embaixador disse que a comunidade ficou muito dignificada e disciplinada. Disse também que esta comunidade rejeita a decisão da corte de expulsar os líderes da mesquita, que está sendo usada por eles nos últimos doze anos e rejeita novos imãs impostos com a guarda da polícia. O embaixador disse também que eles não se deixaram provocar e saíram do local de maneira pacífica depois de a polícia ter prendido o imã deles.

Quem também testemunhou sobre as detenções ocorridas no domingo foi Robin Seaword, agindo como chefe do Escritório da Organização para Segurança e Cooperação da Europa com sede em Baku. Falando como ativista de direitos humanos eu posso declarar que não existe liberdade religiosa no Azerbaidjão, disse ao Forum18. Ele reprovou a prisão ocorrida durante as orações e o fato da polícia vestir botas na mesquita.

Ele disse ainda que entre cinqüenta a duzentos policiais cercaram a mesquita e recusaram a abri-la para que a comunidade pudesse se reunir na manhã de segunda feira para as orações. Os que passaram a noite foram ameaçados de serem presos caso visitassem a mesquita novamente, relatou ele. Isso se trata de um regime policial.

As autoridades possuem uma péssima relação com Ibrahimoglu há um tempo, que é conhecido por sua defesa à liberdade religiosa de cristãos e de muçulmanos, e da comunidade da mesquita, que insiste em atuar de forma independente do Corpo Diretivo Muçulmano Caucasiano. A corte distrital de Sabail no dia 1º de março deu ordem para que a comunidade se retirasse dessa mesquita, que faz parte da facção shia dos muçulmanos e manteve o apelo da corte da expulsão no dia 22 de abril. O executor da corte Nuridin Mustafaev disse ao Forum18 em abril que a expulsão seria desagradável, mas necessária para que as ordens da justiça fossem cumpridas.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE