Liberdade religiosa ainda não é completa, diz advogado adventista

| 10/12/2004 - 00:00


O atual direito à religião no Peru ainda mantém resquícios do velho direito confessional estatal, que não tem seguido sempre, e em todo lugar, os rumos da modernidade democrático-liberal, afirma, em sua tese, o advogado adventista Marco A. Huaco Palomino.

O direito à religião peruano conserva princípios políticos de confessionalidade. Essa situação sugere uma nova etapa no desenvolvimento histórico do princípio e direito de liberdade religiosa: o trânsito para um regime de plena igualdade religiosa num contexto de relações Igreja-Estado
cooperativas, agrega Huaco.

Ao sustentar sua tese de licenciatura sobre liberdade religiosa, no dia 6 de dezembro, no Salão de Graus da Faculdade de Direito da Universidade Nacional Maior de São Marcos, Huaco expôs algumas das idéias apresentadas em 2002, no debate do Congresso sobre a reforma constitucional relativa às relações entre o Estado e a Igreja.

A banca examinadora, composta entre outros pelo destacado constitucionalista César Landa Arroyo, outorgou a Huaco uma ótima qualificação e recomendou a publicação da tese.

Após resenhar sobre o período de intolerância religiosa que prevaleceu durante a colônia até o início da República, Huaco anotou que a reforma protestante do século XVI marcou um passo histórico para a superação da intolerância, assegurado pela separação Igreja-Estado na Constituição dos Estados Unidos.

No Peru, disse, a intolerância religiosa prevaleceu de maneira legal até 1915, quando foi reformulado o artigo 4 da Constituição e se permitiu o exercício público das religiões não-católicas.

Isso ocorreu por causa da prisão do missionário protestante Francisco Penzotti e do assalto à missão Adventista de Platería, em Puno. Esses casos foram aproveitados por liberais, maçons, anarquistas, socialistas, protestantes e racionalistas para lutar contra o conservadorismo clerical da época.

A reforma de 1915 introduziu a tolerância religiosa, porém manteve a confessionalidade católica do Estado peruano. As Constituições de 1933 e 1979 mantiveram uma política privilegiada - de proteção primeiro e de cooperação exclusiva depois, a favor da Igreja Católica, historiou Huaco.

A definitiva consagração constitucional do direito à liberdade religiosa no Peru ocorreu em 1979, impulsionada pela Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, e a declaração sobre liberdade religiosa do Concílio Vaticano II Dignitatis Humanae. A declaração insiste na confessionalidade do Estado, mas admite que a liberdade religiosa é uma conquista que deve ser
reconhecida pela legislação civil.

No Peru, anotou Huaco, isso proporcionou anular a instituição do Patronato e a posterior assinatura de um acordo quase clandestino de concórdia com a Santa Sé, através do qual as antigas prerrogativas eclesiásticas católicas foram mantidas.

Isso levou a uma situação contraditória entre a Constituição, que aparentemente promove a separação Igreja-Estado, e um tratado internacional de hierarquia superior que contradiz clamorosamente esse princípio.

A liberdade religiosa, sublinhou Huaco, inclui a liberdade de ter ou não ter crença religiosa e de manifestá-la. A liberdade de ter crença religiosa inclui a liberdade de adotá-la, mudá-la e abandoná-la.

A liberdade de manifestá-las inclui a liberdade de culto, a liberdade de difusão e informação religiosas, liberdade de formação, educação e ensinamentos religiosos, liberdade de reunião e associação com fins religiosos e a liberdade de consciência religiosa.

As liberdades de pensamento, de consciência e de religião são liberdades autônomas, ainda que estejam intimamente vinculadas, frisou o advogado.

No Peru, onde se debate a reforma da Constituição, essa deveria incluir uma cláusula mais específica que consagre a laicidade ou neutralidade do Estado perante todas as confissões religiosas, assim como a revogação ou denúncia do atual Acordo com a Santa Sé.

Segundo Huaco, seria pertinente aprofundar e desenvolver o direito de liberdade religiosa mediante a introdução de uma Lei de Assuntos Religiosos, via lei orgânica ou de desenvolvimento constitucional, e das matérias relacionadas ao registro de entidades religiosas, direitos pessoais e
institucionais.

Da mesma forma, deveriam ser definidos procedimentos e requisitos para que fossem firmados Acordos de Cooperação entre o Estado e as diferentes confissões religiosas, num plano de igualdade.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE