Pastor Hamid Pourmand é sentenciado a três anos de prisão

| 18/02/2005 - 00:00


Ontem uma corte militar de Teerã sentenciou o pastor iraniano cristão Hamid Pourmand a três anos de cadeia, ordenando sua transferência imediata para uma cela coletiva na famosa prisão Evin, de Teerã.

O ex-coronel do exército foi tido como culpado por enganar as forças armadas iranianas por não declarar, quando ele adquiriu um posto oficial, que era um convertido do islã para o cristianismo. Sob as leis da República Islâmica do Irã, é ilegal a um não-muçulmano servir como um oficial militar.

Hamid, agora com 47 anos, tornou-se um cristão há aproximadamente 25 anos atrás.

Durante a audiência de ontem, o advogado de Hamid apresentou vários documentos nos quais os superiores militares de seu cliente tinham conhecimento, anos atrás, de que o coronel era cristão.  Seu comandante deixou que Hamid deixasse observar o mês muçulmano de jejum, uma isenção concedida apenas aos não-muçulmanos.

No entanto, a corte decidiu que Hamid era culpado de dar falso testemunho e produzir documentos falsificados. O veredicto de ontem veio durante a segunda e final sessão de seu julgamento militar, que começou no fim de janeiro.

"Seus superiores militares sabiam que lhes era ilegal permitir que um não-muçulmano servisse como um oficial, mas eles confiaram nele e então permitiram. Mas agora negam isso", um cristão iraniano disse a Compass.

"Ele realmente tinha documentos, documentos originais, para provar tudo", disse uma fonte iraniana que falou com membros da família de Hamid que permaneceram no julgamento de ontem. "Mas a corte não os aceitou. Eles disseram que eram documentos falsos".

Durante a audiência, os promotores também questionaram Hamid dirigindo acusações de que ele esteve envolvido em espionagem contra o país. "Eles não tinham nada que provasse isso", um conhecido do pastor disse a Compass. "Ele negou, porque realmente não tinha nenhum contato com estrangeiros afinal. Ele não é este tipo de pessoa".

Em 1990, o regime iraniano usou acusações de espionagem como pretexto para prender, julgar e executar um pastor cristão convertido, de Mashhad, por alegada "traição".

A sentença de prisão de Hamid automaticamente o retira do exército, cortando não apenas sua entrada irregular, mas também eliminando quase 20 anos de pensão militar. O veredicto também requer que sua família evacue sua casa em alojamento militar dentro dos próximos dias.

"Sua família não tem nada agora", uma fonte confirmou. "Nenhum salário, nenhuma casa, nada".

O veredicto de três anos representou a máxima pena pelo alegado crime de Hamid. Não ficou claro se sua prisão começa com o veredicto de ontem ou se data de sua prisão inicial em 9 de setembro passado, quando a polícia de segurança invadiu uma conferência na igreja, da qual ele participava. Hamid foi mantido sob prisão incomunicável em uma cela isolada pelos últimos cinco meses.

O advogado atuando em prol da família de Hamid disse que apelará o veredicto à Suprema Corte. Simultaneamente, ele espera bloquear esforços de colocarem Hamid em julgamento ante uma corte sharia da lei islâmica, onde, sob acusações de apostasia e proselitismo, ele poderia ser sentenciado à morte.

Casado e com dois filhos, Hamid vivia em Bandar-i Bushehr, uma cidade portuária do sul, onde ele servia como pastor leigo voluntário em uma pequena congregação da Assembléia de Deus.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE