Coréia do Norte lidera novamente a classificação de países por persegu

| 11/03/2005 - 00:00


Pelo terceiro ano consecutivo, a Coréia do Norte, isolada nação comunista, lidera a classificação de países por perseguição da Portas Abertas.

O cristianismo é visto como uma das maiores ameaças ao poder do regime, segundo o relatório da Classificação de 2005.É difícil obter números exatos, mas estima-se que dezenas de milhares de cristãos estão sofrendo nos campos de trabalho forçado da Coréia do Norte e, pelo menos 20 cristãos foram assassinados no ano passado enquanto estavam detidos.

A lista anual classifica os países de acordo com a intensidade da perseguição que os cristãos enfrentam enquanto seguem ativamente sua fé. Cinco dos dez primeiros países são de maioria islâmica, em quatro o governo é comunista e um país, o Butão, é de maioria budista. 

Novamente a Arábia Saudita ficou com o segundo lugar na lista, seguido do Vietnã, Laos, Irã, Ilhas Maldivas, Somália, Butão, China e Afeganistão. O reino da Arábia Saudita exige que todos os cidadãos sejam muçulmanos. As conseqüências podem ser severas para um saudita que se converta a outra religião. O sistema legal é baseado na sharia (lei islâmica) em que a apostasia - conversão para outra religião - é punível com morte. Até cristãos estrangeiros foram presos e deportados por praticarem sua fé silenciosamente - mesmo o governo garantindo que estrangeiros podem adorar privativamente. Em 2004, o cidadão indiano Brian OConnor foi sentenciado a 10 meses de prisão e 300 chibatadas. Ele foi solto e deportado depois de sete meses preso.     

A situação piorou para os cristãos da Eritréia, país do leste da África onde mais de 400 evangélicos estão presos por sua fé. Eles são submetidos a duras condições, incluindo ser trancados em containers de metal sob calor intenso.

A Somália subiu 4 posições e alcançou o sétimo lugar. A razão primária é porque "cristãos convertidos do islã estão pagando um alto preço pela sua nova fé, especialmente em partes rurais do país."

Enquanto os cristãos no Iraque - classificado em 21.o. lugar - desfrutam "mais liberdade" do que debaixo do regime anterior, eles experimentam maior pressão devido à falta de ordem que permite uma ação quase irrestrita dos fundamentalistas islâmicos. Ameaças escritas, seqüestros, bombardeios e assassinatos continuam a forçar dezenas de milhares da minoria cristã da população para fora do país.  

Do lado positivo, cristãos no Sudão esperam que o novo acordo de paz libere acesso a um maior número de produtos e serviços negados anteriormente. Debaixo do último acordo, o sul do país (de maioria animista e cristã) permanecerá autônomo por seis anos. Estima-se que mais de dois milhões de pessoas morreram no Sudão durante os 21 anos de guerra civil.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE