Sociólogo afirma que teoria da manipulação religiosa de indígenas é ra

| 11/07/2005 - 00:00


A afirmação que explica o crescimento do protestantismo entre os indígenas mexicanos pela influência de missionários estrangeiros é racista e profundamente discriminatória, advertiu o sociólogo da Religião, Carlos Martínez.

A teoria da manipulação (dos missionários estrangeiros) é uma explicação racista e profundamente discriminatória, porque nega aos índios, a maioria com idade e capacidade para decidir por si mesmos, seus novos referenciais de identidade afirma Martínez, em artigo publicado no diário La Jornada, na quarta-feira, 6.

Segundo Martínez, o aumento da membresia evangélica nas comunidades indígenas do país obedece à ativa mobilização de missionários evangélicos saídos das próprias comunidades nativas.

O Censo Geral da População e Moradia, de 2000, reporta que em Chiapas, nos municípios preponderantemente indígenas de Los Altos, entre 20% e 50% da população são evangélicos. Nesses municípios o presbiterianismo foi, durante muito tempo, a única confissão religiosa distinta do catolicismo tradicional, indica Martínez.

Atualmente, a maior denominação em número de fiéis na região corresponde aos adventistas. A Igreja Presbiteriana indígena mantém uma liderança na região dos Altos de Chiapas, com pastores eminentemente índios que se formaram nas congregações locais e mais tarde na Escola Bíblica Tzotzil, precisa o sociólogo.

Martínez explica que esse processo se estende a outros países, como Guatemala, Peru e Equador, onde o cristianismo evangélico cresceu com mais êxito entre os indígenas do que entre os mestiços.

Outra razão apontada pelo autor é que o religioso tem entre os indígenas uma significação especial como elemento integrador da vida pessoal e comunitária. Martínez lembra que a presença de propostas religiosas nesses povos, diferentes das tradicionais, provocaram respostas distintas, que vão desde o rechaço até a entusiasta adoção.

O sociólogo destaca também os ganhos de alguns desses povos, como as etnias tzotzil de Chenalhó e Chamula, que contam cada uma com a Bíblia em seu idioma.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE