Cristãos quenianos se opõem à lei islâmica

| 28/08/2005 - 00:00


Líderes cristãos quenianos estão incentivando suas congregações a que se oponham à futura votação de uma nova constituição para a nação leste-africana, porque o documento proposto dá reconhecimento à lei islâmica (sharia).

Sob a Constituição existente no Quênia, a corte sharia (também conhecida como "corte Kadhi", depois do título do oficial que a presidia) permite julgar questões familiares e de heranças relacionadas à minoria muçulmana, embora não em disputas criminais.

A nova Constituição poderá estabelecer as cortes como parte do sistema judiciário nacional.

Líderes de igreja dizem que é errado que corpos puramente religiosos sejam incorporados na Constituição de uma nação secular, onde as pessoas seguem várias religiões.

Cerca de 11% da população de 30 milhões do Quênia é muçulmana, 45 % são protestantes, 33% são católicos romanos e 12% aderem a credos indígenas e outros.

Os líderes cristãos expressaram sua preocupação porque o reconhecimento das cortes poderá eventualmente levar à aplicação da lei islâmica em assuntos criminais, uma questão controversa, pois a sharia prevê punições severas, como apedrejamento até a morte ou a amputação de membros por certos crimes.

"É melhor permanecermos com a atual Constituição do que adotar um documento que irá atirar o país ao caos", disse o bispo Mark Kariuki da Igreja Evangélica Deliverance.

Os clérigos do Quênia têm assistido à situação do estado nigeriano de Kano, um dos 12 estados no país que adotaram a lei sharia.

No mês passado, Kano introduziu um sistema de transporte público segregacionista entre os sexos, o último passo em sua implementação do código islâmico.

No Quênia, o debate está ameaçando descarrilar um processo longo e franco de revisão e atualização da Constituição para as reformas políticas.

A Constituição proposta está agora sendo esboçada pelo procurador geral, cujo documento editado final deverá ser levado a um referendo nacional em novembro.

Mas os líderes de igrejas estão agora pedindo que as mudanças propostas para a corte sharia sejam retiradas por alguns anos, permitindo mais debates entre os seguidores das duas religiões.

"Oramos para que a nova Constituição não condene o país para um estado sharia", disse o bispo Kihara Mwangi, um líder de igreja e legislador.

Por outro lado, os muçulmanos estão ameaçando rejeitar toda a Constituição proposta se a seção reconhecendo as cortes Kadhi for omitida, afirmou o muçulmano Najib Balala, um ministro de gabinete.

No ano passado, os muçulmanos do Quênia ameaçaram formar seu próprio estado sob a lei islâmica se as cortes Kadhi não fossem formalmente reconhecidas pela Constituição.

Alguns acusaram os cristãos de trabalhar com "evangelistas estrangeiros" dos EUA para suprimir a liberdade desfrutada pela comunidade muçulmana.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE