Cristãos iraquianos cautelosos quanto à nova Constituição

| 22/09/2005 - 00:00


O projeto da constituição do Iraque, a ser votado no dia 15 de outubro, causa mais preocupação no que diz respeito à religião, de acordo com alguns analistas. Mesmo se a constituição for adotada com fortes garantias de liberdade religiosa para todos, os cristãos iraquianos dizem que ela não protegerá os direitos das minorias religiosas, a não ser que os grupos majoritários muçulmanos respeitem essas garantias.

"O governo não pode garantir o que a comunidade local se recusa a permitir", disse um porta-voz dos cristãos evangélicos do Iraque no começo de setembro. "A sociedade e as comunidades religiosas muçulmanas ainda não nos garantem liberdade para cultuar como consideramos adequado, mas apenas dentro de seu contexto. Mesmo se houver declarações sobre a liberdade de culto na constituição, a comunidade local interpretará o que é um culto e um comportamento honrado".

Depois de semanas de acordos e atrasos, líderes políticos xiitas e curdos contornaram as objeções da minoria dos negociadores sunitas e apresentaram formalmente o projeto à Assembléia Nacional do Iraque, em 28 de agosto. A Assembléia não aprovou e, portanto, essa decisão irá para o povo.

Muitos membros das comunidades cristãs caldeana e assíria, tradicionais no Iraque, já tomaram a sua decisão: deixar o Iraque no levantamento do caos social e dos repetidos ataques feitos pelos insurgentes sunitas e fundamentalistas muçulmanos xiitas. Cerca de 750.000 cristãos, conforme foi dito, permanecem no Iraque, abaixo do 1 milhão que havia antes da guerra.

Grupos cristãos sofreram sob a tirania de Saddam Hussein também, mas eles eram visados por causa de sua identificação étnica ou política - não por sua religião.

"O ditador não estava interessado em religião, contanto que ela fosse apolítica e não falasse às mazelas sociais sob a sua base étnica", disse o porta-voz cristão no Iraque. "Os líderes cristãos estão falando sobre questões mais amplas no Iraque esses dias" - e forças poderosas não estão felizes com isso.

Independente do resultado do referendo constitucional, os crentes iraquianos prevêem tanto maior - como menor - oposição ao Cristianismo. Apesar de suas antigas raízes no Iraque, a fé é agora ligada pelos seus oponentes aos "estrangeiros" e às culturas ocidentais, o que tornará a vida dos fiéis ainda mais difícil. Por outro lado, "uma expressão cristã mais ampla está presente no país, e ela se oporá a mais dificuldades", o porta-voz explicou. "O Iraque sob um governo escolhido pela população estará mais interessado na opinião do mundo do que o Iraque liderado por um ditador".

Texto enviado por Daila Fanny


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE