Censura à informação religiosa na internet

| 29/09/2005 - 00:00


Pequim anunciou, no dia 26, novas leis criadas para aumentar o controle sobre as notícias veiculadas na internet, a fim de "proteger os interesses do governo". Matérias criticando as políticas religiosas do estado e pregando crenças sectárias ou supersticiosas serão censuradas. Não foi mencionada no pronunciamento a data em que as leis entrariam em vigor.

As autoridades já têm um controle rígido sobre a mídia e usam a tecnologia para filtrar e monitorar o conteúdo na internet considerado politicamente suscetível ou pornográfico.

Dissidentes e jornalistas já foram encarcerados por publicarem ensaios, e-mails e mensagens considerados por Beijing como uma ameaça ao estado.

Além das notícias religiosas, as leis afetam outras dez "áreas proibidas", incluindo reportagens que prejudicariam a segurança do governo e segredos de estado não- revelados, além de artigos que possam desencadear a violência étnica.

Proibiram-se organizações de publicar notícias que incitam a desordem social e instigam protestos ou assembléias públicos. Também é ilegal espalhar boatos e divulgar especulações.

O pronunciamento foi feito por causa de uma plenária importante do Partido Comunista no próximo mês. Esse tipo de controle é típico na época de tais eventos, para amainar protestos e exibir uma aparência de estabilidade e unidade de liderança.

A Secretaria de Informação do Conselho do Estado e o Ministério da Informação - o criador das leis - declararam que o "governo censura a circulação do conteúdo contrário à segurança do estado e ao interesse público".

As antigas leis sobre notícias de internet foram emitidas no fim de 2000, mas o rápido avanço da internet nos últimos cinco anos tornou-as obsoletas.

Tanto o Ministério como a Secretaria reconhecem a crescente influência da internet, afirmando que ela se tornara um canal importante para informações e causou um forte impacto na vida política e social.

De acordo com a nova lei, apenas três tipos de entidades poderão publicar notícias. Entre elas estão órgãos estabelecidos por grupos de mídia existentes, que re-editam notícias ou escrevem suas próprias reportagens. Organizações fora da mídia podem apenas veicular matérias publicadas por mídias aprovadas pelo governo.

O controle de Beijing sobre a internet começou depois de uma investigação recente, quando um grupo de direito de repórteres afirmou que as autoridades retiraram informações do Yahoo!, as quais levaram o jornalista Shi Tao a ficar preso por dez anos.

Shi enviara notícias a sites estrangeiros, detalhando como o governo se preparava para abortar passeatas no aniversário das repressões na Praça Tiananmen em 4 de julho.

Texto enviado por Daila Fanny


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco