Comunidade cristã quer o fim da "lei da blasfêmia"

| 07/10/2005 - 00:00


A Comissão Nacional "Justiça e Paz" eleva a voz contra as recentes falsas acusações contra cristãos, presos por episódios de "blasfêmia". Em três recentes casos, Yousaf Masih, cristão de Noshera, Younis Masih, cristão de Lahore, e dois fiéis hindus de Swabi sofreram maus-tratos e foram detidos após serem acusados de blasfêmia.

O artigo 295/c do Código Penal Paquistanês, conhecido como "lei da blasfêmia", condena "aqueles que com palavras, escritos, gestos ou representações visíveis, com insinuações diretas ou indiretas, insultam o sagrado nome do Profeta".

A pena prevista pode chegar à prisão perpétua. A comunidade cristã protestou novamente contra o tratamento discriminatório reservado às minorias religiosas, notando que o governo estaria fazendo concessões excessivas a grupos extremistas islâmicos. A comissão publicou um comunicado no qual pede com urgência a abolição da lei, rejeitando qualquer correção possível: a única solução, disse Dom Lawrence Saldanha, arcebispo de Lahore e presidente da conferência Episcopal, é a ab-rogação.

Segundo a comissão, a lei sobre a blasfêmia ameaça o bem-estar, a estabilidade social e a harmonia inter-religiosa no Paquistão. De 1988 a hoje, informa um relatório da comissão, mais de 650 pessoas foram presas com base na "lei da blasfêmia". Além dessas, há ao menos 20 casos de pessoas assassinadas no mesmo período, com a mesma acusação. Entre as pessoas assassinadas pelos fundamentalistas, está um advogado ex-juiz da Suprema Corte, Arif Huassain Bhatti, que decidiu defender os acusados de blasfêmia.

Freqüentemente, a lei é usada por muçulmanos fundamentalistas para atingir adversários políticos ou inimigos pessoais, ou em vinganças privadas. Em muitos casos, os cristãos também pagam as penas. Atualmente, os cristãos encarcerados sob acusação de blasfêmia são mais de 80: um número muito alto, considerando que os cristãos representam uma exígua minoria da população paquistanesa.

O relatório da comissão informa que 50% dos acusados são muçulmanos, 37% ahmadi, 13% cristãos e 1% hindus. No Paquistão, em uma população de 155 milhões, 97% são muçulmanos, em maioria sunitas, e 20% de xiitas. Os cristãos são 2,5%, dos quais cerca de 1,2 milhões, católicos.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE