Arábia tem prazo para melhorar liberdade religiosa

| 08/10/2005 - 00:00


A administração dos Estados Unidos adiou a pena da Arábia Saudita por restringir a liberdade religiosa. Ela terá seis meses para mostrar que teve progresso no tratamento das minorias religiosas.

Um ano atrás, o Departamento de Estado declarou que não havia liberdade religiosa no reino árabe. De acordo com a lei americana, a administração americana não poderia ter-lhe imposto sanções - como restrição ao comércio - da maneira que fez com alguns outros países.

A secretária de estado Condoleezza Rice notificou o Congresso da sua autorização de um prazo adicional para a Arábia Saudita. O país terá 180 dias antes que uma ação seja realizada contra ele. O prazo também foi estabelecido "a fim de dar um tempo maior para as discussões, progredindo em assuntos importantes ligados à liberdade religiosa".

O porta-voz do departamento de estado Kurtis Cooper disse que Condoleezza trouxe a questão à tona em uma reunião em Washington com o ministro de relações exteriores, o príncipe Saud al-Faisal, e acentuou a importância de continuar o trabalho deste assunto.

A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos - uma agência federal estabelecida pelo Congresso em 1998 para promover a liberdade religiosa em todo o mundo - revelou a decisão de Condoleezza na sexta-feira.

O atraso para com a Arábia Saudita coincidiu com uma especulação diplomática pública feita pela Subsecretária de Estado Karen Hughes, designada para promover a democracia em países muçulmanos.

Falando sobre a Arábia Saudita, Karen elogiou seus líderes pelo trabalho anti-terrorismo.

A comissão de liberdade religiosa, em um anúncio, disse que não houve um progresso real na Arábia Saudita em termos de circunstância religiosa. Ela afirmou também que o governo dos EUA deve usar os 180 dias para cobrar da Arábia um avanço palpável.

A comissão também declarou que não se deve emitir licenças para exportar tecnologia militar para a Arábia Saudita. Além disso, os oficiais sauditas que violam a liberdade religiosa não terão permissão para visitar os Estados Unidos.

"Não há liberdade de religião", informou o departamento de estado ano passado, concluindo sobre o estado na Arábia Saudita, em um relatório que cobre a situação religiosa em 191 países.

Aqueles que não aderem à corrente sunita do islamismo, sancionada oficialmente pelo governo árabe, pode enfrentar "conseqüências severas" da polícia religiosa, afirma o relatório.

Ele também citou exemplos nos quais pregadores de mesquitas pagos pelo governo "usavam uma violenta linguagem anti-semita e anticristã" em seus sermões.

Texto enviado por Daila Fanny.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco