Igreja luterana é incendiada

| 08/11/2005 - 00:00


Duas semanas após uma igreja luterana ter sido incendiada por criminosos no subúrbio de Cartum, capital do país, a "unidade nacional do governo" recentemente instalada ainda não reagiu aos pedidos de investigação dos cristãos em relação a esses ataques.

A estrutura principal da igreja - tradicionalmente construída com bambus, madeira e lama - foi completamente queimada no dia 18 de outubro, informou a Compass o reverendo Yousif El-Denger Z. Kodi.

"Estamos todos muito abalados, pois essa é a primeira vez que acontece algo desse tipo", disse o reverendo, que também é secretário da Igreja Luterana do Sudão (LCS).

Uma das quatro igrejas luteranas na capital, a El-Thawra tem uma congregação de 150 a 200 membros, informou Kodi. "No primeiro domingo depois do incêndio, houve o culto mesmo sem nenhuma estrutura na igreja."

"Estamos desde 1980 nesse local adorando o Senhor sem que nenhum cidadão jamais tenha reclamado ou nos feito acusações."

Após o incidente, líderes da igreja luterana fizeram um levantamento com a vizinhança para saber de qualquer suspeito que tenha passado pelo local da igreja antes do incêndio.

"Mas quando as pessoas foram interrogadas a respeito, ficaram com medo de se manifestar", disse Kodi.

Um dia após o incêndio, líderes da LCS entraram com um processo criminal na delegacia. Desde então, não houve retorno das autoridades.

Na segunda-feira seguinte, 24 de outubro, o reverendo Kodi e Gabareil Bolus relataram o incidente em detalhes ao doutor El-Tayib Zein Al-Abdin, secretário geral do Conselho Inter-Religioso do Sudão (SIRC). De acordo com o reverendo Kodi, o incidente foi discutido por quase uma hora com o oficial da SRIC, que sugeriu que eles tentassem adquirir um terreno próprio em outro local para restabelecer a igreja.

Uma queixa por escrito foi enviada para a SIRC em que os luteranos declaravam possuir uma garantia da unidade governamental de que o crime seria resolvido e que seria providenciada a proteção para todas as igrejas no Sudão.

"É nosso direito sob essa unidade governamental expor esse evento ao mundo", dizia a queixa. "Temos que saber o que aconteceu, é de responsabilidade do governo".

Inaugurado na terceira semana de setembro, o primeiro governo pós-guerra inclui nove ex-rebeldes do Movimento de Libertação Popular do Sudão (SPLM, sigla em inglês) com 16 outros ministros do Partido do Congresso Nacional.

"Como sudanês, cremos que o ato de queimar uma igreja ou mesquita é algo muito estranho", disse o líder luterano ao jornal diário "Khartoum Monitor" no dia 27 de outubro.

"Queremos dizer à Unidade Nacional Governamental que algumas pessoas com más intenções ainda trabalham contra os direitos humanos", continuou o reverendo. "Lamentamos por isso ter ocorrido durante o processo de paz, e no início da unidade governamental".

Kodi afirmou que o único político a visitar o que restou da igreja incendiada até agora foi Philip Magowck, secretário geral da SPLM da região de Omdurman. O reverendo não recebeu nenhuma nota oficial desde a visita dos representantes da SPLM. Nem mesmo um comunicado do governador de Cartum, Abdelhalim Motahfi, oficial responsável pela segurança e pelas investigações policiais na capital.

O acordo de paz assinado entre o governo sudanês e a SPLM em janeiro declara a liberdade de culto como direito básico, garantindo "que todas as pessoas tenham proteção eficaz contra a discriminação de qualquer nível", incluindo a religião.

As tensões religiosas aumentaram com a imposição da lei islâmica sobre o sul do país, de maioria cristã, pelo governo islâmico do norte do país que tem exercido um papel repressor contra os cristãos nos últimos 21 anos de guerra civil, custando a vida de pelo menos dois milhões de pessoas e resultando em quatro milhões de refugiados.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco