Arcebispo de Kirkuk agradece por solidariedade de muçulmanos

| 06/02/2006 - 00:00


O arcebispo de Kirkuk, dom Louis Sako, explicou que a comunidade cristã iraquiana está, "uma vez mais, convertendo-se em uma Igreja de mártires" após os atentados com carros-bomba perpetrados contra os fiéis concentrados para a missa de domingo de 29 de janeiro. Ao menos três pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas nas explosões que aconteceram em seis igrejas de Bagdá e a cidade setentrional de Kirkuk.

Descrevendo o "surpreendente valor" dos católicos, ortodoxos e protestantes, o arcebispo assegura que os fiéis "não vão permitir que os expulsem" do Iraque com atos de agressão. Após presidir o funeral de Fadi Raad Elias, uma vítima dos atentados de 14 anos de idade, o prelado revelou em uma entrevista concedida a Ajuda à Igreja que Sofre que o povo foi em massa à catedral de Kirkuk para demonstrar que agora "está mais comprometido com o cristianismo do que nunca".

E acrescentou que para seus fiéis foi um grande consolo comprovar que muitos muçulmanos haviam assistido ao funeral, inclusive mulheres muçulmanas, algo que, segundo assegurou, é muito pouco habitual. Na entrevista, o arcebispo informou que havia entregado o dinheiro de Ajuda à Igreja que Sofre às famílias com problemas para pagar o funeral e que carecem do mais imprescindível, inclusive de moradias. "Todos estavam muito agradecidos. Para eles, foi um importante gesto de solidariedade, porque demonstra que não estão sós", explicou.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE