Suspeito de assassinar padre diz que servia a grupo radical

| 09/02/2006 - 00:00


O adolescente detido por suspeita de ter assassinado, há três dias, o padre italiano Andrea Santoro na Turquia confessou que foi recrutado por um grupo radical islâmico para cometer o crime após a publicação das polêmicas charges do profeta Maomé, revelou sua advogada.

De acordo com o jornal local Aksam, Mahya Usta, advogada de defesa do rapaz de 16 anos, disse que o estudante contou que cumpria a ordem de um grupo extremista com sede na cidade de Trabzon, onde o padre foi assassinado.

Há uma organização muçulmana. O jovem freqüentava uma casa onde membros do grupo se reuniam, afirmou Usta.

Ela explicou que a organização teria convencido o jovem a cometer o crime após a publicação das polêmicas charges de Maomé porque como é jovem, terá uma pena leve.

Santoro, de 61 anos, morreu domingo baleado por um homem armado que gritou Alahu Akbar (Deus é grande), enquanto o padre rezava na igreja católica de Santa María, em Trabzon.

Na terça-feira, a Polícia turca deteve o rapaz, que estava com uma pistola. A agência de notícias turca Anatólia afirmou que a arma é a mesma usada no assassinato de acordo com os testes feitos em laboratório.

A Polícia continua com os interrogatórios ao jovem acusado.

Outras informações ligaram a morte do padre ao seu trabalho missionário, um tema delicado na Turquia, e à possível relação com máfias de prostituição. O pároco freqüentemente ajudava prostitutas vindas de países da antiga União Soviética, normalmente infiltradas na Turquia através de Trabzon.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE