Católicos perdem contrato de administração de leprosário

| 07/04/2006 - 00:00


O governo do Estado de Gujarat negou-se a renovar seu contrato com os administradores católicos de um leprosário em Ahmedabad. O partido pró-hindu Bharatiya Janata, que administra o Estado, alegou que as freiras "pregavam o cristianismo".

No sábado, 1º de abril, autoridades pediram às seis freiras salesianas para desocuparem seus dormitórios no convento, localizado nas dependências do hospital.

"Estamos em seis no convento, e cinco de nós trabalhavam no hospital", uma freira identificada como irmã Karuna disse. "Depois de um total de 57 anos de serviço a essas pessoas excluídas nos pediram para ir embora."

A igreja católica era responsável pela administração do leprosário desde 1949. O governo, do que era então o Estado de Bombaim (Gujarat foi formado das porções do norte e oeste do Estado de Bombaim em 1960), convidou o padre jesuíta Villalonga para estabelecer a instalação. O governo concordou em fornecer fundos e alguns prédios desativados para o hospital.

Um contrato inicial de cinco anos foi estendido diversas vezes. O último contrato expirou na sexta-feira, 31 de março. As freiras esperavam que ele fosse renovado automaticamente.

Alguns dias antes da notícia de despejo ser dada, a irmã Karuna descobriu uma carta enviada pelo governo do Estado ao dr. J. Desai, um médico hindu do leprosário. A carta pedia a Desai para assumir o controle do hospital.

A irmã Karuna se encontrou com um membro do conselho de saúde do Estado. Ele disse que não poderia fazer nada sobre a revogação do contrato, pois isso era uma ordem política.

Sem religião forçada

Funcionários do governo disseram que eles não renovariam o contrato porque as freiras estavam pregando o cristianismo aos pacientes.

O governo da França havia dado o "Legion DHonneur", "Legião da honra" - o maior prêmio civil, a duas pioneiras do hospital: madre Noemi e irmã Marie Juliette. Elas ganharam o prêmio por seu serviço aos pacientes do leprosário.

No dia 1º de abril, pediram às irmãs católicas para entregar todas as propriedades e os fundos ao médico-chefe do hospital.

A irmã Karuna negou qualquer tentativa de forçar os pacientes a aceitar o cristianismo. "Havia uma capela e uma sala de oração, mas nenhum paciente foi forçado a participar dos cultos. Agora diversas pessoas estão dizendo que pregávamos o cristianismo. Mas, na verdade, meu contrato me impedia de pregar nas dependências do hospital."

Os pacientes do hospital confirmaram que eles nunca foram forçados a orar ou a participar dos cultos.

As freiras foram transferidas para um convento a oito quilômetros de distância do hospital.

"Essa medida é discriminatória", disse o padre Cedric Prakash, diretor da organização de direitos humanos Prashant. "É como se o governo estadual acabasse de descobrir que as irmãs que dirigem o hospital são cristãs. O ministro-chefe Narendra Modi não quer que as freiras estejam associadas com tais ministérios benevolentes."

Cedric concordou que o Estado está tecnicamente na direção do hospital e tem o direito de conceder o contrato a outra pessoa.

O bispo Thomas Macwan, de Ahmedabad, que dirigia o hospital, disse que os motivos do governo estadual são claros. "Não há razão nenhuma pela qual eles não devam renovar esse contrato, a não ser o fato de sermos cristãos."

Dr. John Dayal, presidente nacional da União Geral de Católicos da Índia, escreveu imediatamente ao primeiro-ministro, Manmohan Singh, para expressar sua preocupação.

"Esse não é um choque público que acontece de vez em quando e logo acaba", sua carta afirma. "Essa é uma campanha de terror contra nossa comunidade. Está claro que as freiras foram demitidas por causa de sua religião."

O ministro estadual da Saúde Ashok Bhatt tem afirmado desde então que não há a necessidade de um leprosário em Gujarat. Mas a irmã Karuna disse à agência de notícias Compass: "O hospital tem 50 moradores leprosos e mais de 100 que são tratados como pacientes externos. O Programa Nacional de Erradicação da Lepra diz de forma clara que, em Gujarat, a incidência de leprosos é aproximadamente de uma ou duas pessoas em cada 10 mil".


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE