Sacerdote católico é preso e expulso de Riad

| 13/04/2006 - 00:00


Um padre indiano foi forçado a deixar a Arábia Saudita. Ele foi descoberto pela polícia religiosa quando organizava um encontro de oração que aconteceria na Páscoa. Ele foi preso no dia 5 de abril e permaneceu sob custódia policial por quatro dias e no sábado, 8 de abri, ele partiu para a Índia. A prática de qualquer religião que não seja o islamismo é proibida no país. Encontros realizados em casas particulares, entre amigos, também são proibidos.

O padre George Joshua, pertence à ordem Malankara de Kerala, na Índia. Sua visita aos católicos indianos no reino saudita foi planejada com a permissão do bispo responsável por sua ordem.

Em 5 de abril, o padre George tinha acabado de celebrar a missa em uma residência em Riad, a capital saudita, quando sete policiais da "muttawa", a polícia religiosa, invadiram a casa junto com outros dois policiais civis. A polícia prendeu o padre e uma outra pessoa.

A polícia religiosa saudita é conhecida por sua brutalidade. Com freqüência, os policiais da "muttawa" promovem a tortura de fiéis de outras religiões que são detidos.

Fontes informaram que há perto de 400 mil católicos indianos na Arábia Saudita a quem são negados os cuidados pastorais. Católicos estrangeiros que vivem no país chegam a pelo menos um milhão e nenhum deles pode participar de uma missa enquanto estiverem no país. O ensino religioso para os filhos desses estrangeiros também é proibido.

Com freqüência, durante festas como a Páscoa ou o Natal, os católicos planejam passar os feriados nos Emirados Árabes ou Barein, onde pelo menos por uma vez eles são livres para comparecer a uma missa.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE