Eritréia prende mais três líderes da Igreja Ortodoxa

| 23/05/2006 - 00:00


No mês passado, o governo da Eritréia prendeu mais três líderes do movimento de avivamento Medhane Alem da Igreja Ortodoxa, combatendo duramente a ampla reação à excomunhão de 65 membros do grupo anunciada a aproximadamente dois meses atrás.

O impasse começou em 28 de março, com uma carta circular enviada pelo Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa da Eritréia, colocado na prática sob o controle do governo nove meses atrás.

Endereçada a todas as paróquias ortodoxas do país, a carta oficialmente excomungou 65 membros-chave e coordenadores do Medhane Alem, um estabelecido movimento de Escola Dominical da Igreja Ortodoxa.

Os cristãos expulsos se recusaram a confessar que o movimento Medhane Alem e seus líderes eram heréticos e que seus objetivos eram destruir a Igreja Ortodoxa da Eritréia.

A excomunhão formal da igreja exclui o antigo membro de participar de todos os sacramentos da igreja, incluindo comunhão, batismo, casamento e funerais.

Uma semana depois, em 4 de abril, três dos excomungados - identificados somente como Samson, Michael e Naemen - foram detidos e mandados para a prisão. Os três homens foram acusados de instigar uma resistência ao decreto que os baniu de sua igreja mãe.

Violação da lei canônica

A divergência quanto aos três sacerdotes do Medhane Alem presos desde março de 2005 fez com que o governo de Asmara se colocasse contra o patriarca da Igreja Ortodoxa da Eritréia, Abune Antonios no ano passado.

Um leigo indicado pelo governo assumiu a administração da igreja em agosto passado. Ele, contra a constituição da Igreja Ortodoxa, então conduziu o Santo Sínodo da igreja a expulsar o patriarca.

Depois de manter o ancião Abune Antonios em prisão domiciliar em agosto, o novo membro do Santo Sínodo o notificou em janeiro de 2006 que ele não era mais o líder da igreja.

De acordo com fontes ortodoxas no Egito, o afastamento arbitrário de Abune Antonios foi uma violação direta da lei canônica, que apenas permite a retirada de um patriarca por razões de imoralidade, heresia ou enfermidade física ou mental.

A única solução possível para o impasse que pode ser aceita pelo Papa Ortodoxo Copta Shenoudah III, que ordenou o patriarca Antonios, seria um tribunal eclesiástico conjunto diante de representantes dos sínodos das igrejas tanto do Egito quanto da Eritréia, para ouvir as acusações e permitir que o patriarca se defenda.

Mas resta a dúvida se o regime do presidente da Eritréia Isaias Afwerki irá concordar com esta audiência, independente da interferência do governo e provavelmente presidida pelo Papa Shenoudah.

Apesar de não ter havido anúncio formal da escolha do novo patriarca, o website oficial do governo da Eritréia publicou um pequeno artigo em 22 de abril, se referindo a "Sua Santidade Abune Dioscoros" como "líder do Santo Sínodo da EOC (Igreja Ortodoxa da Eritréia)".

Uma fotografia do antigo bispo Dioscoros, vestido com as roupas patriarcais tradicionais da igreja, acompanhava o texto.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE