Acadêmico destaca diferença entre Islã e muçulmanos

| 26/05/2006 - 00:00


O professor de origem síria Basam Tibi defendeu a necessidade de distinguir entre o Islã e os islamitas, e pediu à esquerda européia que não considere os extremistas religiosos como seus aliados contra os Estados Unidos.

O acadêmico participu de uma conferência internacional sobre o Islã, na Universidade de Tel Aviv. Sou um muçulmano, um cidadão alemão e estendo a mão para a paz, disse o professor da Universidade de Cornell, do estado de Nova York, informa hoje o jornal Yediot Aharonot.

Tibi rebateu opiniões de conferencistas israelenses. Devemos distinguir entre o Islã e os islamitas. O Islã é uma religião ou uma ordem política?, disse.

Segundo o catedrático, o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas), que exerce o Governo da Autoridade Nacional Palestina (ANP), assim como outros grupos muçulmanos que propõem a jihad (guerra santa), desfazem o limite entre as duas posições.

Se você responde que é uma religião, é um simples muçulmano. Mas se acha que existe uma ordem política envolvida, então é um islamita, explicou Tibi, negando a relação do Islã com o poder.

No entanto, o israelense Martin Kramer, diretor do Departamento de Estudos do Oriente Médio e África na Universidade de Tel Aviv, afirmou que para os islamitas o poder deriva de Deus, fonte inesgotável de energia por meio de sua fé.

Por que eles odeiam os EUA? Não é pelo que são, nem pelo que fazem, mas pelo que têm: seu poder, opinou Kramer.

Tibi aproveitou o tema para criticar a esquerda européia e alemã por verem os movimentos jihadistas como revolucionários e complementares de suas próprias posições antiamericanas.

A batalha atual entre as organizações terroristas e os Estados, disse Tibi, representa uma era de guerra irregular, e parte dela é uma guerra de idéias.

Kramer, por sua vez, destacou o paradoxo da tentativa do presidente dos EUA, George W. Bush, de democratizar o mundo árabe, pois os maiores beneficiados são os movimentos islâmicos radicais, que podem chegar facilmente ao poder.

Na sua opinião, os extremistas islâmicos no Egito e Jordânia desejam aproveitar a abertura democrática para conquistar o poder, como fez o Hamas nas eleições palestinas de 25 de janeiro.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco