Cristãos sentenciados por participação em estudo bíblico

| 05/06/2006 - 00:00


No dia 30 de maio, quatro homens foram sentenciados à prisão por estarem envolvidos com o cristianismo. Três foram detidos em 20 de maio, quando a polícia invadiu um local em que os cristãos se reuniam. Um jovem ex-muçulmano foi forçado a levar a polícia até lá. O quarto foi preso pouco depois.

Timothy (nome fictício), um ex-muçulmano que se tornou cristão, de 15 anos, foi delatado à polícia por seu irmão mais velho, que estava irritado com a religião de Timothy. Quando a polícia questionou Timothy sobre seu comparecimento a estudos bíblicos, ele olhou para os policiais e disse, com ousadia: "Eu sou um seguidor de Jesus Cristo e estudo a Bíblia". A polícia então o obrigou a revelar o local dos encontros.

Por volta das 2 horas da tarde do dia 20 de maio, a polícia invadiu as dependências do local e encontrou o líder do estudo bíblico, Peter, e o vigia, um muçulmano responsável por abrir e fechar o lugar. Os dois foram presos junto com Timothy.

A polícia revistou as dependências e encontrou uma lista de todos os cristãos e muçulmanos que demonstravam interesse pelo cristianismo. Eles confiscaram várias Bíblias e outros materiais cristãos.

A emissora de TV local estava presente para fazer com que as notícias da prisão dos "infiéis" chegassem à comunidade muçulmana. Uma testemunha relatou que a equipe da televisão foi hostil e gritava acusações raivosas aos cristãos.

Esposa de Peter é presa

Na delegacia, Peter obteve permissão para ligar para sua esposa. Ela imediatamente correu para ver o marido. Quando os policiais souberam que ela também é cristã, eles a trancaram no banheiro da delegacia.

Oficiais de polícia interrogaram Peter e Timothy e depois os atiraram em um tanque escuro na delegacia. Os dois cristãos permaneceram lá por duas noites, sem roupas. O segurança muçulmano, de bom grado, deu todas as informações que tinha sobre as reuniões de estudo bíblico.

A esposa de Peter obteve permissão para voltar para casa, a fim de cuidar dos três filhos pequenos nas primeiras duas noites, mas ela tinha que voltar à delegacia pela manhã. Ela supostamente deixava os filhos com parentes durante o dia. Quando ela voltou à delegacia no terceiro dia, a polícia mudou de idéia colocou-a em uma cela feminina da prisão.

No terceiro dia, Peter e Timothy foram colocados em uma cela com o segurança muçulmano. Eles dividiam a cela também com outro homem, cujo nome estava na lista que a polícia encontrou no local dos encontros. Ele foi preso pouco tempo depois de Timothy e Peter. Ele freqüentava o grupo de estudos e demonstrou interesse no cristianismo, mas ainda não tinha entregado sua vida a Cristo.

Peter e Timothy sofreram abusos físicos e verbais. A polícia os agrediu, gritando e tentando fazer com que eles condenassem publicamente a fé em Cristo. A polícia disse que se eles acusassem Jesus, seriam libertados. Os policiais zombavam deles dizendo para que eles chamassem o seu "Deus" para salvá-los.

Soube-se posteriormente que a polícia estava procurando por duas outras pessoas, cujos nomes estavam na lista, mas que esses homens estavam escondidos. Nesse meio tempo, outros cristãos locais encontraram um advogado para defender os quatro prisioneiros no tribunal. O advogado tinha ligações coma embaixada francesa e defendeu a causa no dia 30.

Quatro homens sentenciados

Durante o julgamento, muçulmanos fundamentalistas supostamente exigiam que os acusados fossem mortos pelo "terrível crime" de se envolverem com o cristianismo. Na audiência, os quatro homens foram sentenciados a três meses de prisão. Eles também receberam uma multa de US$ 1.300, mas o advogado ponderou com o juiz e conseguiu isentar os clientes da multa.

A esposa de Peter foi libertada depois do julgamento. Enquanto estava na prisão, ela foi importunada pelos guardas e colegas de prisão. Pouco depois da libertação, ela dividiu sua experiência com a Portas Abertas, contando como a prisão era um lugar maligno e escuro. Ela acrescentou que teve um sonho no qual Deus disse a ela que os problemas surgiriam e que ela deveria se preparar para isso.  Seus três filhos estavam radiantes por ter a mãe de volta à casa, mas ela tem sido informada da oposição na vila e vive em constante medo.

Apesar de sentenciado, o segurança muçulmano continua a cooperar com as autoridades, passando-lhes informações. Peter e Timothy permanecem fortes e ousados, confessando sua fé, o que provoca na polícia uma raiva ainda maior.

Presidente recém-eleito

Em 30 de maio, o presidente recém-eleito Ahmed Abdallah Mohamed Sambi assumiu o governo e jurou: "Eu dou início a uma revolução verde", referindo-se à cor das bandeiras islâmicas.

Fontes das Portas Abertas informaram que o presidente disse que as ilhas Comores estão habituadas a uma forma relapsa de praticar o islã e que se o povo realmente quiser experimentar mudanças, a lei islâmica, ou a sharia, deve ser aplicada. Ele está convencido de que virá um dia em que o mundo ocidental irá hastear a bandeira do islã. De acordo com ele, os cristãos são infelizes porque sua religião, na prática, é incompleta.

Em 30 de maio, a agências Reuters noticiou que críticos acusam o presidente Sambi de estar muito próximo do extremismo islâmico, e que ele tem intenção de introduzir a lei sharia e reforçar ligações com governos antagônicos ao Ocidente. Ele nega a acusação, se comprometendo a não alterar a constituição secular da república islâmica e dizendo que, em vez disso, irá focar-se na reconstrução da economia.

Anteriormente, em 16 de maio, a Reuters noticiou que Sambi é filho de um teólogo de uma grande mesquita e que viveu no estrangeiro por muito tempo. Ele estudou árabe na Arábia Saudita, por três anos; teologia no Sudão por um ano; e teoria política islâmica no Irã, por quatro anos. De volta a Anjouan, ele montou escolas para estudo do Alcorão. Ele também é um empresário com interesses que vão de estação de TV a uma fábrica de perfumes feitos a partir do ylang ylang, uma planta nativa.

De acordo com a constituição de Comores, os habitantes têm "liberdade de religião". O texto constitucional declara o seguinte: "Igualdade é direito de cada um e não deve haver distinção baseada em sexo, origem, raça, religião ou crença".

Ilhas vulcânicas

Em 30 de maio foi noticiado que o Monte Karthala em Grande Comores está tingindo o céu de vermelho enquanto a atividade vulcânica continua. Essa é a terceira vez nos últimos 13 meses que o vulcão entra em erupção. Os temores iniciais de que houvesse uma grande explosão com marés de lava se acalmaram, mas as autoridades permanecem em alerta.

Comores compreende três ilhas principais e numerosas ilhotas no Oceano Índico, no sudeste da África, entre Moçambique e Madagascar. Colonizadas por povos da África, Indonésia e Arábia, as ilhas vulcânicas foram cedidas à França entre 1841 e 1909. O país declarou a independência da França em 1975. Moroni, na Ilha de Grande Comores, é a capital do país, cuja população em 2005 era de 671 mil habitantes (fonte: http://www.answers.com/topic/comoros)

Motivos de oração:

 Ore pela esposa de Peter, para que ela tenha paciência e seja confortada nesses tempos difíceis.

 Os prisioneiros cristãos têm sido fortes e corajosos e proclamam com alegria sua fé. Ore para que eles continuem encorajados, fortalecidos, confortados e em paz durante esses dias de dificuldades.

 Esse tipo de perseguição não acontece em Comores desde os anos 1990. Ore para que Deus dê sabedoria aos líderes cristãos. Ore também para que os cristãos locais tenham coragem para resistir à perseguição. Peça também a Deus para usar esse tempo difícil para fortalecer e expandir seu reino nas ilhas Comores.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE