Governo de Estado malaio premia conversões ao islamismo

| 29/06/2006 - 00:00


Aqueles que se casarem e converterem ao islamismo membros da população indígena seminômade receberão um prêmio. O estado de Kelantan, norte do país, determinou que os muçulmanos que se casarem com um "orang asli" - habitantes indígenas do país, de tradição animista - receberão 2.700 dólares, assim como acomodação gratuita, um veículo e uma pensão mensal de 1.270 dólares.

A lei na Malásia, um país de maioria muçulmana, estipula que quem quiser se casar com um muçulmano precisa se converter ao islamismo. Kelantan é o único estado governado pelo Partido Islâmico Pan-malaio, um partido político oposicionista que nasceu do extremismo islâmico.

O presidente do Comitê de Assuntos Religiosos de Kelantan, Hassan Mohamood, disse: "Não estamos satisfeitos com o baixo número de orang asli que abraçam o islã e por isso pensamos em algumas maneiras de motivá-los". Ele afirmou que dos 12.900 "orang asli" do Estado, apenas 2.902 se converteram.

A medida despertou protestos de membros da comunidade muçulmana e também de outras religiões, porque se configura como uma violação dos direitos humanos. Colin Nicholas, diretor do Centro para os Interesses dos Orang Asli, disse: "Essa política discrimina os povos indígenas e demonstra a grande falta de respeito por sua cultura e religião".

Desperdício de dinheiro público

A maioria dos 180 mil "orang asli" malaios, os habitantes originais do país, vivem na pobreza e na marginalização. Alguns permanecem como nômades e outros vivem em assentamentos administrados pelo governo, ganhando a vida vendendo produtos naturais.

A. Sivanesan, um defensor dos direitos humanos, disse que o governo de Kelantan foi longe demais ao interferir de tal maneira na intimidade das pessoas. "O sistema de premiação é uma forma de corrupção e uma maneira de desperdiçar os impostos. O que vai impedir um muçulmano de se casar com uma "orang asli" para receber o prêmio, para apenas se divorciar dela em seguida e casar-se com outra?", questiona ele.

Até as autoridades muçulmanas de Kelantan se opuseram à iniciativa, mas o líder do partido alegou que a premiação era justificável.

"Dinheiro, casa e carro são apenas um modo de ajudar os jovens casais e não uma discriminação", justificou Mahfuz Omar, membro do partido governante.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE