Cristãos protestam contra venda de propriedade da igreja

| 04/11/2006 - 00:00


Trezentos cristãos estão participando de uma demonstração pacífica na localização original de sua igreja, para protestar contra a ocupação do governo local e a venda do terreno, informou a Associação de Ajuda à China (CAA, sigla em inglês).

Desde 16 de outubro, 300 cristãos do Movimento das Três Autonomias (igreja reconhecida pelo governo chinês) estão reunidos diante da propriedade em protesto contra a venda do terreno, que fica no distrito de Qinzhou, na cidade de Tianshui, província de Gansu. A propriedade foi vendida para uma construtora por cerca de US$ 2,2 milhões, apesar de os cristãos terem oferecido US$ 6.348 pelo imóvel.

A igreja perdeu a propriedade em 1966, durante a Revolução Cultural, e o terreno foi alugado para duas fábricas nacionais. Depois da Revolução, a igreja pediu reiteradas vezes que o governo devolvesse o imóvel, mas o governo insistiu, em vez disso, em compensar a igreja com US$ 6.348.

A manifestação já durava quinze dias, quando a reportagem foi feita, em 1º de novembro.

Opiniões divergentes

Na semana passada, o líder mundial da Igreja Anglicana, o arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, concluiu sua primeira visita à China com descrições favoráveis do país, contrariando os protestos de grupos de direitos humanos que destacam casos de violações da liberdade religiosa e dos direitos humanos.

Em um recente incidente, em 26 de outubro, 35 cristãos foram presos durante um treinamento bíblico ministrado por um pastor coreano-americano, que ainda se encontra sob vigilância domiciliar.

Grupos que monitoram a perseguição aos cristãos têm chamado a atenção para as violações da liberdade religiosa na China, o que se opõe à descrição que o arcebispo fez da China, como um país de "grande oportunidade" para os cristãos.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE