Onda silenciosa de perseguição

| 10/01/2007 - 00:00


De 10 a 19 de janeiro, publicaremos em nosso site um resumo das notícias que marcaram 2006. Serão 10 dias, cada um com o foco em um país diferente. Hoje começaremos com o Irã. O ano de 2006 foi marcado pela opressão do governo aos ex-muçulmanos, em uma tentativa de barrar o crescimento da igreja doméstica no país.

Trabalhando em silêncio, longe do centro das atenções da mídia internacional, as autoridades iranianas continuaram a promessa do presidente Mahmoud Ahmadinejad, feita em novembro de 2005, de "parar o cristianismo nesse país".

O Irã despontou em 2006 com uma onda de prisões que atingiu os líderes cristãos - parte da campanha do governo para conter a explosão de igrejas domésticas nesse país de maioria muçulmana xiita.

Quando Issa Motamedi Mojdehi foi preso em 24 de junho, as autoridades disseram ao ex-muçulmano que ele deveria renunciar o cristianismo, senão enfrentaria anos na prisão e uma possível execução por "apostasia". Issa foi acusado a princípio de tráfico de drogas, e sofreu fortes pressões psicológicas. Ameaçaram matar sua família e seus amigos cristãos, enquanto agentes do serviço secreto e um professor de teologia islâmica insistiam que ele deveria negar sua fé. Ele se recusou e, em 24 de agosto, as autoridades o libertaram "por um momento", mas não antes de um juiz da cidade de Rasht ter uma nova acusação. Ele acusou Martha, a filha de Issa de 8 anos de idade, de tentar levar outras crianças a Cristo. A polícia de Rasht também fechou a loja de outro cristão da igreja de Issa. Impedir os ex-muçulmanos de trabalhar começou a ser uma tática comum do governo, tentado força-los a deixar o país.
 
Em uma cidade do sul, a polícia agrediu duas jovens cristãs em suas casas, detendo uma por diversos dias. Depois de ser libertada, ela recebia ameaças de ser presa novamente, e de ter os membros de sua família presos também. Em setembro, a polícia secreta iraniana prendeu um casal cristão na cidade de Mashhad, forçando-os a deixar para trás sua filha de 6 anos. As autoridades libertaram Reza Montazami, 35 anos, e sua esposa Fereshteh Dibaj, 28 anos, por ordem de um Tribunal Revolucionário em Mashhad. Mas, foi preciso que os pais de Reza pagassem primeiro a fiança do casal: eles entregaram à justiça a escritura de uma propriedade no valor de 25 mil dólares.

Em dezembro, a polícia secreta iraniana invadiu a casa de líderes de um movimento nacional de igrejas domésticas e os deteve nas cidades de Teerã, Karaj, Rasht e Bandar-i Anzali. Diversos cristãos detidos foram libertados logo, mas quatro permaneceram sob custódia até o Natal, sendo acusados de realizar "atividades de evangelização" e "atos contra a segurança nacional do Irã".

Mesmo o progresso de casos na justiça foi modificado pela repressão. Hamid Pourmand, a quem um tribunal militar em Teerã considerou culpado de enganar o exército iraniano escondendo a sua conversão ao cristianismo, foi libertado em 20 de julho. Mas, ele recebeu a ordem de não participar de cultos em igrejas, o que poderia fazer com que ele voltasse à prisão para completar os 14 meses que ainda restam de sua sentença de três anos.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE