Pastor que teve igreja incendiada fala sobre a fé após o incidente

| 23/05/2007 - 00:00


No ano passado, na região de Aceh, uma multidão enraivecida de extremistas muçulmanos ateou fogo a uma igreja que existia há 28 anos. O pastor e a esposa tiveram que correr para a selva, por questões de segurança (leia mais).

Netty se emociona ao relembrar da terrível noite, quando ela e seu marido estavam dentro da igreja vendo extremistas muçulmanos derramando litros de gasolina por todo o local, até o momento em que atearam fogo.

Na entrevista que concedeu esta semana à rede de TV CBN News, o rosto dela foi coberto para evitar possíveis retaliações.

Quando ouvi os extremistas dizendo: Matem-nos, matem-nos, pensei que estivesse sonhando, contou Netty. Pulei para uma parte dos fundos da casa e caí no chão. Eu estava chorando e orando. E dizia: Deus onde você está? Deus onde você está?, revelou ela.

O marido de Netty, Luther Saragih, pastoreava a igreja evangélica da Indonésia desde 2003. Ele contou que era por volta de meia noite quando dois carros e 50 motocicletas chegaram com mais de 100 extremistas e atearam fogo à igreja.

Aquelas pessoas carregavam espadas para nos matar, disse o pastor Luther Saragih. Ficamos atônitos quando eles passaram na nossa frente e ficaram olhando. Creio que os anjos do Senhor estavam lá para nos proteger, disse ele.

O pastor explicou que os muçulmanos ficaram enraivecidos porque receberam um convite para uma reunião de avivamento na igreja. Ele negou que tenha enviado os convites, mas ainda assim a polícia ordenou que ele cancelasse o encontro. Mas apesar do pedido da polícia, 60 cristãos se encontraram para orar.

A polícia disse que as pessoas ficariam enfurecidas se continuássemos com as reuniões, mas nós dissemos que não havia nada de errado em adorarmos a Deus, disse. Oramos e lemos o Salmo 23, contou Luther.
 
O pastor Luther Saragih e sua esposa sobreviveram ao ataque porque correram pela selva enquanto a igreja queimava. Os agressores, por sua vez, pensaram que eles tivessem morrido no incêndio.

Netty, que estava grávida de três meses, sentiu por diversas vezes que havia perdido o bebê. Ela foi hospitalizada para evitar o possível aborto.
 
Por causa das ameaças de morte, o pastor e sua esposa fugiram para uma cidade maior, por precaução.

Meses depois a CBS News encontrou o casal, junto com a menina recém - nascida. Primeiro pensei em parar de pregar o evangelho. Devo admitir que cheguei a questionar Deus por aquilo que nos aconteceu. Não achamos que sobreviveríamos, mas Deus milagrosamente nos protegeu e salvou nosso bebê também, disse Luther.

Com a fé fortalecida no ataque, ele começou a ter aulas de estudo bíblico em uma escola. Agora o pastor está aprimorando suas habilidades evangelísticas.
 
A congregação da igreja continua a se encontrar na casa dos membros, até que um novo local para os cultos fique pronto.

Teste de fé

Primeiro, quando nossa igreja foi queimada, ficamos com medo. Mas depois percebi que não devemos ter medo porque somos seguidores de Jesus Cristo, disse Augustus, um antigo membro da Igreja Missão Evangélica da Indonésia.

Nós cremos que se morrermos por Cristo, viveremos novamente. Oramos pelos extremistas muçulmanos para que sigam a Cristo. Eles não sabem o que fizeram. Nós acreditamos que Deus tem um plano para nós aqui em Aceh, disse ele.

Estes cristãos insistem que a perseguição não vai mudar mesmo que eles se mudem da vila. Eles pretendem ficar e pedem que cristãos ao redor do mundo orem para que Deus os encha de força para enfrentar esse teste de fé.

Leia e assista a íntegra da matéria, em inglês, na CBN News.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE