Cristãos paquistaneses não se curvam à pressão

Os cristãos paquistaneses de Charsadda estão chamando atenção pela forma de enfrentar as ameaças feitas por extremistas muçulmanos. Eles receberam o seguinte ultimato: Convertam-se ao islã ou sofram as conseqüências.

A resposta dos cristãos foi dada em uma coletiva de imprensa organizada pela Aliança de Minorias Paquistanesas (APMA, sigla em inglês), em Islamabad, para toda a opinião pública: Estamos dispostos a sacrificar nossas vidas por Cristo, não vamos negá-lo.

Líderes da comunidade cristã de Charsadda e Murdan, pastores, o bispo  Anthony Lobo e o presidente da APMA, Shahbaz Bhatti, conduziram o anúncio.

Nós repudiamos as ameaças feitas e o ultimato dado aos cristãos de Charsadda. Os cristãos do Paquistão não se sentem intimidados por esses meios coercitivos. Nós podemos morrer, mas nunca nos curvaremos aos militantes islâmicos e às forças extremistas, disse Shahbaz Bhatti.

Os cristãos que vivem em Charsadda, província que fica no noroeste do Paquistão, receberam cartas contendo o ultimato. Nelas, os extremistas deram um prazo de 10 dias (que expirou no último dia 17 de maio) para que eles se convertessem ao islamismo, saíssem da cidade ou enfrentassem explosões à bomba.