Pastor uzbeque recebe pena ainda mais pesada

O pastor pentecostal Dmitry Shestakov, condenado a quatro anos de prisão no dia 9 de março deste ano por promover atividades religiosas, foi transferido de uma penitenciária agrícola para um campo de trabalhos forçados.

As autoridades alegaram que ele estava se comportando mal na prisão e por isso resolveram transferi-lo para completar a pena em um campo de trabalhos forçados, disse ao Fórum 18 um protestante que preferiu não se identificar com medo de represálias.

Nós acreditamos que a ação de retaliação foi proposital, disse esse cristão.

A transferência de Dmitry ao campo de trabalhos forçados ocorreu em decorrência de um julgamento administrativo.

O juiz B. Ergashev determinou uma punição mais dura em um novo julgamento no dia 25 de maio, na corte criminal do distrito de Pskent.

O movimento contra igrejas protestantes continua em outros lugares do Uzbequistão.

Um oficial do Comitê para Assuntos Religiosos da capital Tashkent, cujo nome não será divulgado, se negou a discutir o aumento da punição contra o pastor e o movimento contra outros protestantes.

Ele disse que o presidente do comitê, Artyk Usupov, estava viajando e tirou o telefone do gancho.

Fontes protestantes contaram ao Fórum 18 que ele foi transferido para um campo de trabalhos forçados em regime fechado, conhecido como zona vermelha.

Antigamente os presos ficavam na  zona vermelha. Seus familiares não foram informados da transferência e ainda não sabem em qual prisão ele está, disse a fonte.

A prisão em Navoi deixará Dmitry ainda mais longe de sua mulher e dos três filhos, que vivem em Andijan.

Aos 38 anos, Dmitri Shestakov, também conhecido como Davi, liderava a Igreja do Evangelho desde 2003.

Ele foi preso pelo Serviço Secreto de Segurança Nacional durante o culto dominical do dia 21 de janeiro.