Cristão inocentado três vezes recebe ordem de prisão

Um homem cristão foi novamente preso depois que a Suprema Corte Peruana anulou a absolvição concedida a ele em um julgamento anterior, na própria corte. Antes disso ele já havia sido considerado inocente da mesma acusação em outros dois julgamentos, realizados por tribunais inferiores na hierarquia judicial.

De acordo com a Christian Solidarity Worldwide (CSW), Carlos Jorge Garay foi preso pela primeira vez quando tinha 19 anos e foi acusado de terrorismo. Ele foi libertado no dia 2 de novembro de 2004 depois de passar 12 anos na prisão.

Garay foi absolvido de todas as acusações pela Corte Penal Nacional depois de um longo processo judicial. No entanto, acaba de ser informado que sua libertação anterior foi invalidada e que ele deve retornar para prisão e esperar um novo julgamento, seguindo uma ordem da Suprema Corte.

Em um informe para a imprensa, a CSW declara: “Em seus três anos de liberdade, Garay se casou e agora tem uma filha. Ele demonstrou preocupação de que se a corte recusar sua liberação da prisão, podem se passar mais quatro anos antes que ele veja sua filha devido às severas regras de visitação”.

A CSW disse que a organização de direitos humanos Paz e Esperança, no Peru, fez um apelo por uma ação da comunidade internacional em apoio a ele.

De acordo com a advogada de Garay, Dra. Lourdes Zegarra, a Suprema Corte Peruana já havia reaberto o caso para revisão em 2005. Naquele momento, Garay foi novamente considerado inocente.

Falso testemunho

“O que aconteceu agora é que indivíduos arrependidos, pessoas que sob ameaça foram forçadas a declarar sua culpa e entregar os nomes de outros , foram apresentadas. O que é curioso é que no julgamento, uma pessoa que, em um julgamento anterior declarou que não conhecia Carlos, agora disse que o conhecia”, disse a advogada.

Dra. Lourdes Zegarra também disse que outras testemunhas contra Garay estão testemunhando escondidas atrás de um vidro preto para que seja impossível para Garay ou seus advogados saberem quem está o acusando.

Segundo o diretor nacional da CSW, Stuart Windsor, “o Peru teve grandes avanços nos últimos anos para restabelecer a democracia e examinar os abusos aos direitos humanos cometidos nos últimos 20 anos, através de iniciativas como a Comissão de Reconciliação e Verdade”.

Exatamente por isso, disse ele, “é perturbador saber que casos como esse estão acontecendo, no qual os direitos de um homem, que já havia sido considerado inocente em três ocasiões, continuem a ser violados quando a Suprema Corte reabre o caso novamente”.

“Nós pedimos ao governo peruano para libertar Carlos Garay e reuni-lo com sua família. Nós encorajamos as autoridades para não forçá-lo a um novo julgamento por crimes que o sistema de cortes peruano já o declarou inocente, e garantir que outros como ele não estarão sujeitos ao mesmo tipo de dura experiência”, declarou o diretor nacional da CSW.