Camboja proíbe propaganda cristã e oferta de ajuda

O governo do Camboja, país de maioria budista, proibiu os grupos cristãos de realizarem “proselitismo porta a porta" e distribuir panfletos religiosos em público, informou ontem a imprensa cambojana.

A medida, anunciada na terça-feira pelo Ministério de Cultos e Religiões, proíbe também o uso de dinheiro ou outros incentivos materiais para converter a população ao cristianismo.

"Os grupos cristãos estão proibidos de visitar as casas das pessoas batendo à porta para dizer "O Senhor chegou". Todas as atividades para disseminar o cristianismo em áreas públicas ficam proibidas", diz o comunicado do governo.

O texto esclarece que a propaganda cristã se limitará aos templos e escritórios dos grupos religiosos. Quem não cumprir a norma vai responder a ações penais.

Porta-vozes do Ministério informaram que a proibição foi motivada pelas práticas de alguns missionários cristãos, que buscam conversões oferecendo comida, dinheiro, roupa e até aulas de inglês gratuitas.

Segundo a fonte, esse tipo de evangelização vai contra o budismo, religião majoritária no Camboja, praticada por 95% da população.

O governo calcula que menos de 700 mil do total de 14 milhões de cambojanos praticam alguma forma de cristianismo. Os católicos seriam 19 mil.