Libertado o sacerdote italiano seqüestrado nas Filipinas

| 24/07/2007 - 00:00


O sacerdote italiano Giancarlo Bossi, seqüestrado no dia 10 de junho no sudeste das Filipinas, foi libertado na última quinta-feira, anunciou o primeiro-ministro da Itália, Romano Prodi, após 39 dias no cativeiro.

"Nunca perdi a tranqüilidade e agradeço verdadeiramente ao Senhor que me manteve sereno e tranqüilo frente a tudo o que estava acontecendo", afirmou ele em entrevista concedida à Rádio Vaticano.

"Estou bem. Perdi um pouco de peso, mas pelo resto tudo está bem. Foi uma experiência que não desejo a ninguém porque é muito dura. Por outro lado, estou compreendendo pouco a pouco o que tantas coisas ensinam. Acredito que terei tempo nestes meses para refletir sobre tudo isto que passou", explicou.

"Graças ao céu nunca me senti desalentado, graças a experiência do padre Benedetto, seqüestrado e em seguida solto, e a do padre Giuseppe Pierantoni, também seqüestrado e em seguida libertado. Por isso, meu coração estava em paz e me dizia: ‘Eu também serei liberado um dia’", contou o sacerdote.

Um só Deus

Ao comentar sobre as conversas que tinha com seus seqüestradores enquanto o tiveram capturado, o presbítero disse que eles "rezavam e eu rezava”.

“Uma das perguntas que eles e eu mesmo me fazia era: ‘Estamos rezando ao mesmo Deus ou é um Deus distinto, dado que vocês rezam com o fuzil à direita e comigo seqüestrado à esquerda? É o mesmo Deus quem quer todas estas coisas ou que coisas?’ Algumas pergunta ainda estão dentro de mim e devo aprofundar em todo o sentido que têm".

"Eles queriam dinheiro para comprar armas. O motivo para me seqüestrar é que eu sou italiano, portanto, não sendo filipino, o governo teria que procurar minha libertação de todos os modos", indicou o sacerdote missionário ao referir-se às razões do seqüestro (leia mais).

Aprendizado

Giancarlo Bossi também agradeceu "a toda esta gente que rezou por mim”. “Uma das coisas desta experiência é que no tempo que tinha livre, que era abundante, pensava em minha vida, em todas as pessoas que encontrei alguma vez, nos rostos de meus amigos, dos que estão vivos e também dos que já partiram. Acredito que isto era muito belo".

"Esta experiência me tem feito entender que estamos ainda muito longe de nos reconhecer como irmãos. Espero e acredito que chegará o dia em que reconheceremos juntos que somos todos filhos do mesmo Pai que é Deus, e que somos portanto irmãos e irmãs", concluiu o sacerdote.

Oração de muitos

O Superior Geral do Pontifício Instituto Missionário Estere (PIME), padre Giambattista Zanchi, agradeceu "ao Senhor porque escutou a oração de muitos cristãos e não cristãos. Durante este tempo, tivemos momentos de viva preocupação".

"Ante estas experiências –e já as tivemos em outros países, também em guerra – todos nos dizem que é próprio dos missionários que querem ficar, que não querem voltar inclusive quando são convidados a deixar seu posto porque pode ser arriscado", explicou.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE