Juiz malaio afirma supremacia de tribunais civis sobre islâmicos

| 26/07/2007 - 00:00


Um juiz da Corte Federal da Malásia determinou que os tribunais civis têm uma categoria superior à dos islâmicos no país, conforme a Constituição, informou hoje o jornal "The New Straits Times".

Hamid Mohamad explicou que a Constituição, que em 2007 completa 50 anos, criou os tribunais Federal, de Apelação e Superior, mas não os islâmicos.

"As cortes que aplicam a sharia (lei islâmica) não têm jurisdição enquanto o Estado não sancionar uma lei para outorgar esse poder", acrescentou. Ele pediu que o Parlamento delimite, com leis específicas, a jurisdição dos tribunais civis e religiosos.

Mohamad lembrou que a função do Tribunal Federal é unicamente aplicar a lei e não decidir sobre a jurisdição dos casos.

Na sua opinião, as disputas entre muçulmanos e não-muçulmanos devem ser resolvidas por tribunais civis, já que os que não professam o Islã "não podem se defender pela "sharia"".

Segundo o juiz, os problemas causados pelo conflito de jurisdição têm se multiplicado nas últimas duas décadas num país multirracial e multiétnico, mas de maioria muçulmana.

No mês passado, uma indiana foi internada num centro de reabilitação durante 180 dias por professar a religião hindu. Um tribunal islâmico determinou que o fato de seus pais se converterem ao islã era suficiente para que ela também passasse a ser considerada muçulmana.

Antes disso, Lina Joy, uma muçulmana que se converteu ao cristianismo, apelou à máxima instância judicial na Malásia para ter a palavra "islã" retirada de seu documento de identidade. Mas os juízes passaram o caso para as cortes islâmicas (leia mais).


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE