Talibã oferece troca de duas reféns doentes

O Governo da Coréia do Sul ressaltou hoje que tem limitações para atender às exigências dos talibãs que mantêm 21 sul-coreanos evangélicos em cativeiro há mais de duas semanas no Afeganistão, informou a agência "Yonhap".

"Nos contatos com os talibãs, nosso principal objetivo é deixar claro que há limitações por parte de nosso governo em relação à reivindicação de libertar os prisioneiros", disse o porta-voz presidencial sul-coreano, Chun Ho-sun.

A delegação sul-coreana chegou hoje à província afegã de Ghazni, onde estão os reféns. Os negociadores buscam um diálogo direto com os insurgentes para libertar os seqüestrados.

Proposta

Hoje, o grupo talibã anunciou que está disposto a libertar "imediatamente" duas reféns "gravemente doentes". Em troca, o governo do Afeganistão deve soltar dois rebeldes que estão presos, segundo um porta-voz da milícia.

Um grupo de 23 civis sul-coreanos foi seqüestrado no dia 19 de julho por um grupo talibã, que exige a libertação de presos insurgentes em troca. Dois reféns foram executados, entre eles o pastor Bae Hyung-kyu, depois de o governo afegão se negar a aceitar as condições exigidas.

"Podemos libertá-las imediatamente caso o governo solte dois prisioneiros", disse à agência Efe por telefone o porta-voz talibã Mohammed Yousef Ahmadi. Ele acrescentou que a proposta já foi transmitida aos negociadores sul-coreanos.

Segundo Mohammed, as reféns "conseguem comer um pouco para sobreviver". Mas seu estado é "crítico", e elas "não podem caminhar". Ore por eles.

Em entrevista coletiva, o porta-voz presidencial manifestou seu desejo de que a cúpula prevista para este fim de semana em Washington entre o presidente americano, George W. Bush, e o afegão, Hamid Karzai, ajude a resolver o caso.

"Tenho esperança de que os dois entendam a nossa posição", acrescentou o porta-voz. Ele lembrou que Seul defende publicamente a necessidade de uma postura flexível para salvar a vida dos reféns.

Há dois dias, políticos sul-coreanos pediram que Estados Unidos e Afeganistão modifiquem sua postura na negociação com os talibãs, para facilitar a libertação dos 21 seqüestrados.

Forças da Otan (aliança militar liderada pelos Estados Unidos) confirmaram o lançamento de um ataque aéreo contra comandantes do grupo radical islâmico afegão Talibã na Província de Helmand (sul).

Relatos de moradores locais indicam que o ataque pode ter deixado dezenas de vítimas e há ao menos 20 feridos, mas as mortes ainda estão sendo investigadas.

Leia mais no UOL