Lei que proíbe conversões é rejeitada em três Estados

| 06/08/2007 - 00:00


Um projeto de lei que proíbe conversões a outra religião, embora a Constituição da Índia permita, foi rejeitado pelo governador de Gujarat. Este é o terceiro caso nos últimos meses em que esse tipo de tentativa de limitar a expansão de outras crenças não é bem sucedida. Para o cardeal Toppo este é um bom sinal de que a Índia ainda é democrática e secular.

O governador de Gujarat, Nawal Kishore Sharma, mandou de volta à assembléia uma emenda controversa contra a conversão religiosa, dizendo que viola o princípio de liberdade de religião. A administração do partido Baharitya Janata (BJP) não reagiu à decisão.

De acordo com a proposta, só seriam consideradas legais as conversões que acontecessem dentro da mesma confissão religiosa, por exemplo, do catolicismo romano para o protestantismo e dos muçulmanos sunitas para xiitas.

Lei anticonversão

Porém, a decisão do governador não muda a lei anticonversão de 2003 que ainda castiga qualquer um que promover conversões forçadas do hinduísmo para o islã, por exemplo.

Nawal Sharma disse que qualquer mudança não viola o artigo 25 da Constituição da Índia que reconhecesse o direito para professar, praticar e orar na própria religião.

Dando boas-vindas à recusa do governador, John Dayal, presidente do Conselho Cristão Para Toda a Índia (AICC, sigla em inglês), convocou o governo indiano a agir contra leis semelhantes em vários Estados que violam o direito à liberdade de religião e encorajam a perseguição policial e tentativas injustas, especialmente em áreas rurais.

"As leis de religião são uma tentativa disfarçada de restringir a liberdade de crença sob o pretexto de prevenir conversões forçadas", disse ele.

"Pratibha Patil, governador de Rajasthan, também rejeitou uma proposta de emenda semelhante na assembléia estatal embora a população cristã local seja menor que 1%. O outro caso aconteceu em Madhya Pradesh, onde o governador Balram Jhakkar se recusou a assinar emendas propostas pelo BJP," informou John Dayal.

Presas por causa da fé

"Apesar das leis de anticonversão, a Igreja permanece missionária por vocação", disse o cardeal Toppo. "Continue suas atividades de evangelização e se orgulhe de participar do sofrimento de Cristo."

Em Orissa, duas freiras foram presas com base na seção 4 do Ato de Liberdade Religiosa do Estado, nos quais foram acusadas de conversão forçada. "Eu lhes falei que esta é uma ocasião para estarem alegres porque foram encarceradas debaixo de falsas acusações. Realmente a Igreja na Índia sempre fará o que puder, mesmo que isso signifique ser perseguida”.

"Ironicamente, quando Orissa foi devastado por um ciclone, as mesmas freiras trabalharam incansavelmente para salvar vidas, ajudando as vítimas e a comunidade inteira sem a preocupação de casta ou religião. É triste como isto foi esquecido”, lembrou Toppo.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco