O drama dos gêmeos coptas por causa da lei islâmica

| 11/10/2007 - 00:00


A Constituição do Egito, que adota a sharia (lei islâmica), prevê que quando um dos pais se converte ao islã, os filhos passem automaticamente para a custódia do genitor muçulmano. É o caso de Mario e Andrew Medhat Ramsis, gêmeos coptas hoje considerados muçulmanos depois que o pai deles se converteu ao islã.

O caso de custódia deles teve início no dia 3 setembro, mas foi adiado. O advogado deles, Naguib Gabriel, enfrenta intensa oposição, enquanto trabalha para retardar o julgamento para depois do dia 17 de novembro, quando será julgada a questão da reconversão de 12 muçulmanos que querem voltar ao status de coptas (leia mais).

Os pais dos gêmeos, Medhat Ramses e Kamilia Lutfi Medhat, eram um casal cristão quando os meninos nasceram, mas o pai se divorciou da mãe, deixando para trás os filhos, e se converteu ao islã para se casar com uma muçulmana.

Em fevereiro, a mãe dos meninos descobriu que eles tinham sido colocados em classes de educação islâmicas na escola para refletir sobre a escolha do pai. No entanto, o homem muçulmano já não vivia com a família cristã desde a conversão dele ao islamismo e do novo matrimônio, em 2002.

Os gêmeos ganharam notoriedade quando se recusaram a prestar o exame de religião islâmica, em maio deste ano, exigido para passar ao próximo grau.

"Somos cristãos", declararam os meninos

Na ocasião eles declararam: "Sou cristão". Cada um deles escreveu a frase em um teste. Eles deixaram as demais respostas em branco (leia mais).

O Ministro de Educação do Egito, Yusri al-Gamal, anunciou no dia 25 de agosto que passaria os meninos automaticamente para o próximo grau, mas a mãe cristã dos gêmeos disse que ainda restam problemas subseqüentes.

"Soube que a lei egípcia concede a custódia das crianças para a mãe até que elas completem 15 anos, mas eu descobri que isto só se aplica a mães muçulmanas", disse Kamilia Lutfi em uma entrevista coletiva no dia 27 de agosto deste ano, de acordo com o semanal copta "Watani".

"Se os gêmeos se recusarem a colocar o islã em seus documentos, correm o risco de não receber serviços básicos como educação e cuidados médicos", disse Hossam Baghat, da ONG Iniciativa Egípcia pelos Direitos Individuais.

"Basicamente, eles não podem se matricular em escolas públicas, e esse é o problema mais importante", explicou Baghat ao Compass.

Ele espera que os meninos não sejam acusados de apostasia, e possam ficar com a mãe cristã. Interceda por justiça, pela segurança deles e para que o debate sobre a questão da conversão a outros credos seja usado por Deus na transformação de muitos corações e para a liberdade de pregar sobre Cristo no Egito.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco