Justiça do Mato Grosso do Sul manda recolher 11 livros cristãos

| 13/09/2007 - 00:00


Onze exemplares do livro "A maldição de Deus sobre o homossexual: o homossexual precisa conhecer a maldição divina que está sobre ele!" foram recolhidos na tarde desta quinta-feira em cumprimento do mandado de busca e apreensão em bancas de Campo Grande (MS).

O juiz da Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, Dorival Moreira dos Santos, determinou que os exemplares fossem retirados de circulação por terem caráter homofóbico.

Os exemplares foram recolhidos em duas bancas, na Central e na Banca Concursos 2, ambas no centro de Campo Grande. O autor do livro, o pastor evangélico Naurio Martins França, não foi localizado para ser intimado da decisão nesta tarde. Na Gráfica Pantanal, onde o livro foi impresso, não havia exemplares.

Pastor fica proibido de imprimir nova publicação ou divulgá-la

A decisão judicial determina que o pastor não faça novas publicações do material e se abstenha de divulgar.

O polêmico livro foi tema de debates na semana retrasada na Assembléia Legislativa quando a Associação das Travestis alertou para a violência contra homossexuais, com oito mortes neste ano.

O pedido de apreensão partiu da Defensoria Pública, por considerar que o livro estimula o preconceito e incita a violência, argumento que foi colhido pelo juiz. Ele considerou que poderia incentivar práticas de pessoas menos instruídas ou por fanatismo religioso.

Quando se iniciou a polêmica em torno do livro, a reportagem do Campo Grande News tentou ouvir a versão do pastor em torno da discussão, sem conseguir localizá-lo.

Na decisão que concedeu liminar, o juiz fez menção à liberdade de expressão, prevista na Constituição Federal, mas considerou que o teor do livro viola a garantia constitucional do direito à igualdade.

“Isto porque o requerido cometeu abuso de seus direitos ao usar termos inadequados em interpretações pessoais acerca do tema, extrapolando seu direito de manifestação de pensamento ao atribuir conceitos próprios e adjetivos pejorativos à pessoa homossexual”, considerou, “situação que coloca o grupo sob risco”, apontou ainda o magistrado.

Leia a íntegra da matéria de Maristela Brunetto, do Campo Grande News, aqui. 


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE