Pastor Zaur Balaev sofre com a corrupção na prisão

Familiares e amigos do prisioneiro batista por consciência Zaur Balaev contaram ao Fórum 18 que os funcionários da nova prisão para onde ele foi transferido, em Baku, estão exigindo pagamentos altos para que eles lhe dêem comida ou permitam a visita de parentes. O pastor Balaev  está cumprindo pena de prisão de dois anos pelo suposto uso de violência contra oficiais do Estado.

As autoridades alteraram explicitamente as acusações contra o líder batista durante todo o julgamento dele (leia mais). Zaur Balaev está apelando da sentença à Suprema Corte.

Ilya Zenchenko, que conduz a União Batista, disse que a polícia está ameaçando um pastor batista no sul do Azerbaijão, Telman Aliev e o assistente dele Jabbar Musaev, com o mesmo destino como pastor Balaev ( leia mais).

Autoridade nega propina

Funcionários negaram ao Fórum 18 que estejam exigindo pagamentos aos prisioneiros para dar comida, água, permitir o banho e o encontro com parentes.

"Ninguém paga por essas coisas ", disse Mehman Sadykov, porta-voz do Ministério da Justiça que administra as prisões no Azerbaijão. “O Estado paga tudo, inclusive a comida.”

Ao ser informado de que guardas estão exigindo dinheiro de Zaur Balaev e de outros prisioneiros, Sadykov respondeu: “Tais relatos não correspondem à realidade."

Perguntado sobre como ele sabe, ele respondeu: "Eu trabalhei no sistema carcerário por mais de 20 anos."

O porta-voz também negou que Balaev seja um prisioneiro de consciência e que esteja sendo punido pelo exercício calmo de sua fé. "Nós não temos prisioneiros de consciência", afirmou.

Sistema corrompido

Zardusht Alizade, da Assembléia dos Cidadãos de Helsinki, contesta: "O sistema de prisão está absolutamente corrompido", contou ao Fórum 18 . "Guardas em todas as outras prisões extraem subornos de todos os prisioneiros para tudo."

Segundo ele, os prisioneiros que não conseguem levar dinheiro para os subornos não ficam sem comer, mas recebem o mínimo para que não morram de fome.

Desde a transferência dele, os batistas puderam prover a Balaev roupas, uma manta, óculos novos e comida.

"Mas as condições onde os prisioneiros estão mantidos são terríveis", disse Zenchenko. "Embora o regime interno supostamente não seja severo, esses condenados são forçados a prepararem a própria comida, enquanto todos os serviços - incluindo água quente, a possibilidade de se lavar e um lugar para lavar e secar roupas precisa ser pago”.

Ministério

Zaur Balaev conduzia uma congregação batista em Aliabad no noroeste do Azerbaijão, perto da fronteira com a Geórgia. Como a maioria da população da aldeia, ele é da minoria que fala ingilo georgiano.

A congregação tem repetidamente durante muitos anos tido seus pedidos negados para ser reconhecida legalmente.