A paz ainda não chegou ao Sudão em 2007

| 02/01/2008 - 00:00


O Sudão permanece sem resolver o conflito de Darfur, enquanto a ONU pressiona o regime de Omar al-Bashir para que permita o envio de uma força de paz da organização e da União Africana (UA) e o processo de pacificação no sul do país dá sinais de fraqueza.

Enquanto isso a igreja sofre em meio à instabilidade. Os parceiros da Portas Abertas têm mantido um Centro de Treinamento, que abriga vários cursos teológicos no sul do país, para ajudar os irmãos da região a permanecerem firmes.

Apesar dos esforços internacionais, das pressões políticas e econômicas dos Estados Unidos e do compromisso pessoal do novo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a situação em Darfur continua praticamente estagnada.

O acordo de paz iniciado em Abuja em 2006 pelo Governo sudanês e uma facção do Movimento de Libertação do Sudão (MLS) ainda não foi assinado pelos outros grupos rebeldes que começaram o conflito armado em fevereiro de 2003 em protesto contra a situação de pobreza e a marginalização em que se encontrava a região.

Em outubro, fracassou a conferência internacional sobre a questão de Darfur realizada na Líbia e bastante divulgada pelo secretário-geral da ONU e pelo Presidente sudanês.

O encontro, organizado pela ONU e pela UA, pretendia reunir pela primeira vez numa mesa de negociações o Governo sudanês e todos os movimentos rebeldes de Darfur, com o objetivo de conseguir pôr fim às hostilidades e permitir o início do processo de paz. Dos 13 grupos rebeldes da região, seis não quiseram participar do encontro.

A dificuldade de se chegar a um acordo político teve impacto negativo no terreno e na população local. Desde o início do conflito, mais de 200 mil pessoas morreram e outras 2,2 milhões foram obrigadas a abandonar suas casas. Muitas delas não têm acesso a serviços de primeira necessidade.

Entenda o conflito

Os confrontos armados entre os grupos rebeldes, o Governo e as milícias governistas prosseguem, e a ONU denunciou várias vezes os ataques e bombardeios contra a população civil, negados por Cartum.

A organização também acusou o Governo de dificultar o envio de ajuda humanitária à região, que no momento só atinge 3,2 milhões dos 5,6 milhões de habitantes, apesar dos acordos realizados.

A comunidade internacional ainda considera lentos os passos dados pelo Sudão, que, segundo a ONU, tenta atrasar o envio de 26 mil soldados do organismo multilateral.

Só após meses de pressões e negociações o presidente sudanês aceitou o desdobramento da força conjunta das Nações Unidas e da UA na região.

O Sudão exige ainda que as forças enviadas ao país sejam africanas, reivindicação que a ONU não pretende atender.

A todas estas dificuldades para a paz em Darfur soma-se a saída do Governo, em 11 de outubro, do Movimento Popular de Libertação do Sudão (MPLS), que domina o sul do país.

Apesar de quase dois meses depois terem sido anunciadas uma nova tentativa de reconciliação incluindo o retorno dos ministros do MPLS ao Executivo e a preparação de uma conferência para a união nacional, a crise revelou a fraqueza do tratado de paz assinado no Quênia em janeiro de 2005 entre o Governo e a facção do sul.

As duas partes se comprometeram a retirar as tropas que haviam enviado à fronteira comum e prometeram resolver as divergências em torno da disputada região petrolífera de Ebey.

Foi anunciado, inclusive, que a capital do país poderia ser transferida para Juba, capital do sul, por três meses a cada ano.

O norte é árabe e o sul é cristão

A crise, que afeta negativamente o processo de paz de Darfur, como já afirmaram especialistas e políticos internacionais, despertou os fantasmas da guerra civil entre o norte árabe muçulmano e o sul animista cristão, que durante 22 anos devastou esta região do país.
O cristianismo que é pregado ali é extremamente frágil e devido à escassez de missionários e líderes dispostos a enfrentarem o forte calor ( que chega a 52°C) e a miséria, acaba por perder espaço para o fanatismo e a pregação da Palavra de forma oral e muitas vezes distorcida.

Enquanto a ONU aumenta os esforços para iniciar o envio de suas tropas de pacificação em janeiro e prosseguem as negociações do regime com os rebeldes de Darfur e o principal grupo do sul, os mais de cinco milhões de habitantes da região em conflito continuam a esperar pela paz que não chega. Ore pelo Sudão e pelos poucos missionários que trabalham no país. 

(Texto original acrescido de informações da Portas Abertas)


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE