Polícia prende suspeito de conspirar contra vida de pastor

As autoridades policiais da Turquia prenderam no final de semana passado um jovem por ter supostamente conspirado para matar um pastor cristão em Antalya, durante os feriados de Natal e Ano Novo.

O pastor Ramazon Arkan, 30 anos, está sob proteção policial desde 25 de dezembro, quando o departamento de polícia antiterrorismo de Antalya ordenou que dois guardas à paisana o acompanhassem por todos os lugares.

Detido na noite de sábado (29 de dezembro) na cidade costeira, Murat Tabuk, de 22 anos, admitiu no interrogatório policial, segundo notícias, que o seriado da TV ultranacionalista popular, "Vale dos Lobos", o inspirou a planejar o assassinato de Arkan.

É a segunda vez em menos de um mês que o seriado televisivo é citado por inspirar violência contra cristãos ( leia mais).

Alguns andares abaixo do Centro Saint Paul, onde congregações cristãs de fala turca e inglesa se reúnem para adorar em Kaleici, distrito histórico de Antalya, foi encontrado Tabuk no momento de sua detenção.

Ordem judicial

Monitorado por telefone, por ordem judicial, o suspeito também disse a um amigo: "Eu preciso de uma arma". Nenhuma arma foi encontrada com Tabuk no momento em que foi detido.

Arkan confirmou que por duas vezes, nos últimos 15 dias, um jovem que ele nunca havia encontrado antes, e se identificava como Murat, telefonou dizendo que gostaria de conversar com o pastor acerca do cristianismo.

"Eu não disse que não me encontraria com ele", disse Arkan ao jornal "Hurryet", "mas como eu estava muito ocupado não tive oportunidade de encontrá-lo". O homem ligou no número de seu telefone listado no website da igreja.

Telefonema

Quando o homem ligou pela segunda vez, em 24 de dezembro, Arkan o convidou para que fosse ao centro Saint Paul encontrá-lo.

Mas quando Tabuk chegou a igreja, ele ficou sabendo que Arkan estava em reunião. O suspeito quis esperá-lo no jardim, mas se negou a ser revistado pelos guardas da segurança e deixou as dependências.

Arkan disse ao Compass que o chefe do departamento policial antiterrorismo o chamou no dia seguinte, 25 de dezembro, e o informou de que ele seria acompanhado por dois policiais para "proteção extra" durante as celebrações de Natal e Ano Novo.

"Nós não sabíamos que havia qualquer conspiração particular ou alguma pessoa específica sob suspeita até o domingo (30 de dezembro), quando o chefe do departamento de polícia antiterrorismo me chamou para ver se poderia identificar aquele suspeito", disse Arkan.

O pastor elogiou a polícia local pelo modo como trataram a situação, frisando: "Eles trabalham cuidadosamente para evitar qualquer ataque que possa vir contra nós".

Sua igreja está sob guarda policial regular desde o final de agosto, depois que uma série de incidentes interrompeu cultos e outras atividades da igreja.

A congregação de Arkan promoveu uma grande festa de Natal esse ano sem incidentes, no Hotel Kislahan de Antalya, com 250 pessoas.

Tribunal

Tabuk foi trazido para a corte na segunda-feira (31 de dezembro) e foi enviado à Jurisdição Central de Antalya, para comparecer a julgamento militar por deserção. A polícia também o acusou criminalmente, depois de ser pego por câmeras de segurança incendiando carros em Alanya, no mês de outubro.

De Kayseri, o pai de Tabuk, Hasan Tabuk, disse à mídia turca que seu filho perdeu a sanidade mental em um acidente de carro há dois anos. "Meu filho é ingênuo e pode ser facilmente enganado", disse o pai.

Ao menos duas outras pessoas foram detidas para interrogatório sobre o caso, inclusive o empregador de Tabuk, que, segundo o que o suspeito disse à polícia, pagou a ele 500 liras turcas (US0) para incendiar cinco carros em Alanya.

Ainda não é certo se esse partícipe, identificado como Mehmet D., estava envolvido na conspiração para matar o pastor Arkan, mas ele foi preso em regime fechado em Alanya.

Seriado de TV ofensivo

De acordo com um repórter da NTV no dia de Ano Novo, Tabuk confessou durante os interrogatórios policiais que estava planejando matar o pastor para pegar dinheiro, do mesmo modo que ocorreu na série popular de TV "Vale dos Lobos" ("Valley of the Wolves", em inglês).

Um muçulmano de 19 anos de idade que esfaqueou no estômago um padre italiano em 16 de dezembro, admitiu, segundo notícias, em suas declarações à polícia, também ter sido influenciado pelo episódio de "Vale dos Lobos". O padre Adriano Franchini, 65 anos, foi hospitalizado durante a noite em Aegean, cidade de Izmir, e já está melhor.

Juntamente com outros 20 líderes protestantes, o pastor Arkan fez um documento de reclamação formal junto à Promotoria do Estado de Istambul no dia 3 de dezembro, protestando contra o programa de TV semanal "Vale dos Lobos" por ofender cristãos "apresentando-os como um grupo terrorista e difundindo imagens que os tornam alvos".

A série retratou cristãos como vendedores de partes do corpo humano, envolvidos em atividades mafiosas, de prostituição e trabalhando como inimigos da sociedade com o objetivo de espalhar a fé cristã.

"As conseqüências são inumeráveis; ameaças diretas, ataques contra templos e por fim, o assassinato de três cristãos inocentes em Malatya", dizia o texto da reclamação.

Os líderes protestantes requereram que o programa de TV e os produtores de "Vale dos Lobos" fossem processados sob os artigos 115, 214, 215, 216 e 288 do Código Penal Turco por espalhar informações falsas e incitar a violência contra os cristãos.

Cidadãos turcos

"Nós somos turcos, cidadãos turcos, mas nossa fé é o cristianismo", disse o pastor Arkan à NTV , em entrevista no dia 1º de janeiro. "Nós queremos viver nesse país de acordo com a nossa fé, da melhor maneira possível".

Ex-muçulmano que se converteu ao cristianismo há 11 anos, Arkan está na equipe da liderança pastoral da Igreja de Antalya New Testament pelos últimos 8 anos. Ele é agora o pastor da congregação, que reúne cerca de 75 pessaos nos cultos semanais.

"Eu não estou com medo, mas tenho algumas ansiedades, é claro", disse Arkan ao Compass. "Nós chegamos ao ponto de nos tornarem alvos. Isto é desconfortável e afeta a todos nós".