Pastor é morto por se negar a entregar lista com nomes de cristãos

| 29/01/2008 - 00:00


O pastor Mohammed (nome substituído por questões de segurança da família) , que liderava uma igreja doméstica na Somália, foi morto porque se negou a entregar aos oficiais de segurança do governo os nomes de todos os cristãos que freqüentavam a sua congregação.

Todos os membros da igreja dele foram para a Etiópia e hoje congregam em Hargeysa, porque souberam que o governo pretendia prendê-los. Mas o pastor resolveu ficar na Somália e acabou sendo morto.

Ele foi preso no último dia 3 de dezembro por causa de “sua simpatia pelo cristianismo”. Foi torturado durante cinco dias e solto no dia 7 de janeiro, quando passou a ser vigiado 24 horas por dia pela polícia local.

De acordo com a International Christian Concern (ICC), o pastor foi morto porque se negou a entregar uma lista com o nome de todos os membros de sua igreja. A organização também denuncia que extremistas islâmicos infiltrados na polícia assassinaram o pastor.

Ano de oração pela Somália

A Somália não é reconhecida pela comunidade internacional, mas possui um governo em funcionamento desde 1991. Quando a organização perguntou a um representante da Somália nos Estados Unidos, Saad Noor, pelo incidente, ele respondeu: “Não existem cristãos na Somália”.

A ICC afirma: “Nossas fontes informam que existem extremistas islâmicos infiltrados no Departamento de Investigação Criminal da Somália que reúnem os nomes de todos os cristãos e fazem o possível para eliminá-los usando o sistema judiciário”.

A organização também afirma que esses extremistas anticristãos são membros do grupo fundamentalista Salafi, que deu origem à Al-Qaeda.

Em 2008, parceiros da Portas Abertas em diversos países estarão orando especificamente pela Somália.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE