Somalis: um povo marcado por corações endurecidos pelo ódio

| 04/03/2008 - 00:00


Do ponto de vista espiritual, o povo somali é escravo de rituais islâmicos. Guerra, oportunismo e corações endurecidos são os principais entraves para a difusão do evangelho. Salvação para eles, depende do mérito. A cultura do ódio é comum e até mesmo valorizada. Por isso, aprender sobre o amor e a graça de Jesus é algo difícil, quase incompreensível, por causa da formação deles.

Três países do Chifre da África abrigam a nação somali: a Somália, o Djibuti e o Quênia. A Somália é a casa de apenas 6 os 10 milhões de somalis que estão no mundo.

A maioria dos obreiros cristãos que atuam entre os somalis serve de forma abnegada e em vários ministérios. Cavam poços, alimentam os famintos, ensinam como cultivar terras e administrar pequenos negócios.

Há muita dificuldade para se compartilhar o evangelho entre o povo somali. São necessários obreiros cristãos nativos da África para que as barreiras com a língua cultura sejam transpostas com mais facilidade. 

Além disso, a má fama dos cristãos impede a difusão do cristianismo. Muitos são vistos como devassos, corruptos e promíscuos (geralmente essa é a idéia que os muçulmanos fazem dos ocidentais).

Por esses e outros motivos é que a Portas Abertas e demais organizações internacionais elegeram 2008 como o Ano de Oração pelos somalis, mas especialmente pela Somália, país que tem ficado conhecido por abrigar extremistas islâmicos.

Informações detalhadas sobre desafios, religião, cultura, crianças e economia estão disponíveis, também em português, no site http://www.prayforsomalia.org. Trata-se de uma pesquisa completa sobre o povo, com um guia de oração semanal. Participe dessa campanha, para que as barreiras contra o evangelho sejam transpostas e os somalis alcançados.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE